10 marcas que todos conhecemos e que fazem testes em animais

10 marcas que todos conhecemos e que fazem testes em animais

Algumas empresas continuam a pagar para testar os seus produtos em animais “sensíveis” e “inteligentes”. Conheça 10 marcas que pertencem à lista negra da PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), uma associação norte-americana de defesa dos animais. Hoje é o Dia Mundial do Animal de Laboratório.

Avon

Em junho de 1989, a AVON anunciou que não iria voltar a testar produtos em animais e que também não o faria em  laboratórios “fora de portas”. Porém, a AVON comercializa produtos em mais de 100 países e uma quantidade mínima desses países tem leis que obrigam a testar produtos de cosmética em animais antes de serem colocados no mercado. Nesses países esta marca de cosméticos assume praticar testes em animais.

Clarins

Esta marca francesa de produtos de beleza desencadeia testes na sua fábrica de Pontoise. Embora defenda que a maioria dos procedimentos seja realizada em células in-vivo, a fábrica assume cumprir todos os requisitos legais para operar no mercado – o que em alguns países, tal como a Avon, implica testar produtos em animais.

Clinique

A Clinique não é uma marca “livre de crueldade em animais”. Esta empresa é detida pela gigante Estée Lauder. A política oficial desta organização é não testar em animais, exceto quando é exigido por lei. A Clinique é vendida na China, onde os testes em animais são obrigatórios.

La Mer

Esta marca de luxo do segmento dos cremes de beleza garante ter uma política que visa a abolição dos testes em animais. No entanto, continua a fazê-lo em países onde a lei o exige para poder ser comercializada. “Somos membros da Parceria Europeia para Alternativas aos Testes em Animais (EPAA), uma iniciativa lançada em 2005, (…) para promover a partilha de conhecimento entre indústrias e facilitar a validação e aceitação de métodos alternativos de teste e estratégias”, garante a empresa.

Estée Lauder

A Estée Lauder – que também detém a La Mer, Jo Malone, Bobbi Brown, MAC, LAB Series, entre outras – garante estar comprometida na eliminação da prática de testes em animais, embora admita continuar a fazê-los. “Estamos igualmente comprometidos com a saúde e segurança do consumidor. No entanto, trazemos para o mercado produtos que cumprem as regulamentações aplicáveis em todos os países nos quais os nossos produtos são vendidos”, lê-se no site da marca.

Makeup Forever

Tal como a maioria das empresas deste segmento de mercado, a política oficial desta marca de maquilhagem é não testar em animais. Porém, para conseguir vender na China, compra certificação a parceiros que se socorrem de testes em animais.

Mac

Esta gigante da maquilhagem pertence à Estée Lauder, empresa que admite testar em animais para continuar a operar em determinados mercados.

Maybelline

Embora algumas marcas detidas pela L’Oreal – uma gigante francesa com sede em Clichy – já não o façam, a Maybelline continua a testar produtos em animais.

Mary Kay

Em 1989, esta empresa de produtos de beleza anunciou uma fase de moratória nos testes clínicos em seres vivos, após ter sido pressionada por grupos de defesa dos direitos dos animais. A marca com sede em Dallas, no Texas, foi das primeiras no setor a assinar um compromisso da PETA para abolir os testes em animais. Porém, em 2012, a Mary Kay – que vende em 35 países – voltou a testar em animais para poder regressar ao mercado chinês.

Victoria’s  Secret 

Apesar de ter estado vários anos fora da lista negra da PETA, esta famosa produtora de lingerie e produtos de beleza com sede em São Francisco, nos Estados Unidos, ingressou na tabela das marcas cruéis para os animais depois de ter anunciado a entrada no mercado chinês.

Fonte: Sapo Life Style / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.