3.000 elefantes estão presos em cativeiro para o turismo na Ásia! Veja como você pode ajudá-los.

1836
Foto: Wikimedia Commons
Foto: Wikimedia Commons

O turismo sempre foi uma indústria em expansão, mas com a maior tendência de viajantes cheios de “sede de viagem” para a selfie perfeita com animais selvagens e postagens no Instagram de terras exóticas, a indústria do turismo nunca foi esteve lucrativa. Sabendo que as atrações com animais selvagens atraem grandes multidões e colhem grandes lucros, muitas pessoas exploram animais inocentes e os forçam a interagir com linhas infinitas de turistas.

As atrações de contato com felinos e as excursões de passeios com elefantes são particularmente populares em países asiáticos como a Tailândia e a Índia. Considerando que animais silvestres são inerentemente selvagens e não podem ser domesticados durante suas vidas, essas excursões representam ameaças perigosas, potencialmente fatais, tanto para animais quanto para humanos.

A fim de controlar os elefantes e submetê-los a demandas não naturais, como transportar cargas pesadas de turistas nas costas, os manipuladores de elefantes sequestram os bebês de suas mães e os mantêm sob restrições bárbaras, enquanto os torturam com os bull hooks (ganchos pontiagudos). Esse processo de “quebra” dura anos, e muitos elefantes não sobrevivem. Aqueles que sobrevivem, vivem em miséria, com medo dos seres humanos.

De acordo com uma petição no site Care2, existem 3.000 elefantes em cativeiro na indústria do turismo apenas no Sudeste Asiático. Se você odeia ver esses gigantes meigos e inteligentes sendo explorados e maltratados de maneira tão brutal, assine a petição e prometa nunca ir a passeios com elefantes ou apoiar atrações que os explorem.

Muitas pessoas desconhecem a verdade por trás dos passeios de elefantes, então, por favor, compartilhe isso em suas redes sociais para aumentar a conscientização sobre a causa!

ASSINE A PETIÇÃO

Por Natasha Brooks / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.