A produção de biodiesel dos EUA está causando problemas para os animais em todo o mundo

582
Foto: Ghatamos/VisualHunt
Foto: Ghatamos/VisualHunt

Quase como um remédio com efeitos colaterais significativos, o U.S. Renewable Fuel Standard (Padrão de Combustível Renovável dos EUA) está causando grandes problemas aos animais, pessoas e meio ambiente. Após uma investigação recente da Mighty Earth e da ActionAid USA, descobriu-se que o desmatamento maciço na Argentina, Indonésia e em outros países está vinculado às exigências do biodiesel dos EUA. Muitos consideram que o biodiesel é ambientalmente superior aos combustíveis fósseis tradicionais, mas dado o dano causado às regiões preciosas da biodiversidade, deveríamos reavaliar essa afirmação.

Em seu relatório chamado Queimada: Decepção, Desmatamento e a Política do Biodiesel da América, a equipe de campo detalha o desmatamento extremo, incluindo incêndios maciços para limpar a terra e até mesmo a destruição de áreas florestais intocadas para a produção de soja. Este desmatamento estava ocorrendo, embora o U.S. Renewable Fuel Standard (RSF) declare que o biodiesel não pode ser produzido em terras recentemente limpas.

De acordo com Rose Garr, Diretora de Políticas da Mighty Earth, “O RFS foi destinado a limpar nosso setor de transporte, no entanto, subsidia combustíveis que são ainda mais sujos que o petróleo”. A lei exige o aumento da produção de biocombustíveis ao longo do ano de 2022. Os principais produtores de soja e óleo de palma da Argentina, Indonésia e outras áreas estão escondidos por trás da ordem do RFS sem considerar seu impacto destrutivo.

A Mighty Earth e a Action Aid USA estarão trabalhando arduamente em 2018 para enfrentar a reforma RFS, mas você pode ajudar assinando a petição. Revisar e reformular esta política significará salvar inúmeras vidas de animais, meios de subsistência das pessoas e as mudanças climáticas.

Por Nadine Rich / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

ASSINE A PETIÇÃO!

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.