Ação solitária de protetora de animais em Ponta Grossa (PR) viraliza na internet

Ação solitária de protetora de animais em Ponta Grossa (PR) viraliza na internet

Uma imagem compartilhada centena de vezes durante essa semana mostra Brenda Lara, 18 anos de idade, cuidando de uma cachorra de rua no Terminal de ônibus da Nova Rússia, em Ponta Grossa. A foto (veja abaixo) circulou em diversos perfis nas redes sociais e encantou várias pessoas, mas para Brenda e outros protetores(as) de animais a imagem mostra uma rotina de cuidado e doação em prol dos animais de rua.

Em contato com a reportagem do portal aRede, Brenda afirmou que realiza boa parte do trabalho sozinha e com a ajuda de pessoas que se solidarizam com a causa. “Com 16 anos eu comecei a cuidar dos animais da rua da minha casa e hoje cuido de todos que vejo e que posso”, contou. A jovem lembra que nem sempre pode ajudar muito, diante do custo elevado do tratamento.

“Quando é algo urgente, eu peço ajuda no Facebook, em grupos, e assim a gente consegue ir ajudando os animais”, conta Brenda. A imagem que viralizou nas redes sociais mostra Brenda cuidando de uma cachorra comunitária que mora no Terminal da Nova Rússia. “Eu chamo ela de Docinho, já tentamos arrumar uma família para adota-la, mas ela está acostumada a ficar na rua mesmo, é um cão comunitário”, contou a jovem.

Após a repercussão da imagem, até agora sem autoria definida, Brenda conta que se sentiu feliz por ver o reconhecimento de um trabalho que muitas vezes passa despercebido diante das milhares de pessoas que passam pelo Terminal de Nova Rússia, todos os dias. “Pra mim é algo normal cuidar dos animais, fiquei feliz em ver a foto ser compartilhada tantas e tantas vezes, algumas pessoas puderam me ajudar a cuidar da Docinha e de outros animais, doações são muito importantes porque arcar com tudo sozinha é muito difícil”, contou a jovem.

Importância do trabalho

Brenda argumenta que mais importante do que chamar atenção para o trabalho realizada por ela, a imagem ajudou também para a população da cidade tivesse mais consciência sobre o abandono de animais nas ruas. “Eu protejo alguns animais há pouco mais de dois anos, mas tem gente que faz isso há muito mais tempo, gostaria mesmo que as pessoas passassem a ajudar mais quem faz esse tipo de serviço em prol dos cães e gatos que estão na rua”, contou.

‘Vaquinhas’ bancam tratamentos

Brenda conta que na maior parte das vezes doações e vaquinhas incentivadas nas redes sociais financiam o tratamento dos animais. “No caso da Docinho, quatro pessoas me ajudaram com dinheiro e conseguimos pagar uma consulta para ela e comprar remédios”, afirmou a jovem. “Para os outros animais que não estão doentes a gente vai arrecadando para pelo menos comprar ração pra eles”, conta.

População canina nas ruas

O último dado público e oficial da Prefeitura de Ponta Grossa dá conta de que o município tem mais de 30 mil cães abandonados nas ruas, sem contar os gatos – o Poder Público ainda não conseguiu computar um dado oficial sobre o número de felinos na cidade. Para amenizar a situação, desde setembro de 2015 a Prefeitura conta com a atuação do Castramóvel, veículo que percorre vários bairros da cidade oferecendo castrações gratuitas.

Projeto para casinhas de cachorros

Em maio de 2016, o vereador Jorge da Farmácia (PDT) apresentou um projeto de lei no Legislativo Municipal que previa a instalação de ‘casinhas’ para cachorros nos terminais de ônibus. Na época a medida gerou polêmica na Câmara e acabou sendo retirada de pauta – o vereador afirmou que buscaria a ajuda da Comissão de Proteção aos Animais da OAB-PG para reapresentar a iniciativa.

Por Afonso Verner 

Fonte: A Rede 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.