Aeroporto internacional de Maputo é “hub” do tráfico de cornos de rinoceronte para Ásia

675
Aeroporto internacional de Maputo é “hub” do tráfico de cornos de rinoceronte para Ásia

No passado dia 29 de Março as alfândegas de Hong Kong apreenderam dois cornos de rinocerontes, no dia 7 de Abril foram apreendidos em Kuala Lumpur outros 18, todos passaram pela capital moçambicana. Moçambique voltou a ter uma população de poucas dezenas de rinocerontes, quatro deles foram abatidos por caçadores ilegais desde Janeiro.

Porém na vizinha África do Sul, desde o início do ano até a semana finda, foram abatidos 137 rinocerontes no Parque Nacional Kruger cujos cornos foram cortados e há indícios que parte deles tenham sido transportados para Maputo de onde estão a ser traficados, a partir do aeroporto internacional de Mavalane, para a Ásia. Moçambique é um dos “hubs” do tráfico, nos últimos seis anos foram traficados 797,78 quilos de cornos de rinocerontes.

Quem tenha viajado a partir do principal aeroporto do nosso País sabe que a bagagem despachada para o porão é alvo de inspecção, primeira a chamada não intrusiva através de um dos vários scanners ali instalados e, caso se observe algum objecto suspeito, agentes da Polícia da República de Moçambique(PRM) assim como das Alfândegas abrem as malas e verificam o seu conteúdo. Procedimento similar acontece no terminal de carga assim como é aplicado a bagagem que é transportada na cabina do avião.

Acontece que apesar dessa fiscalização, que segundo uma fonte das Alfandegas “passa tudo a pente fino”, os traficantes continuam a fazer passar os seus produtos.

@Verdade apurou que os fiscais no aeroporto de Mavalane ganham cerca de 50 mil dólares norte-americanos em dinheiro vivo para não verem os conteúdos das malas dos traficantes.

Os cornos apreendidos na China, que pesam 2,5 quilos, foram enviados a partir do aeroporto internacional de Mavalene escondidos numa embalagem com castanha da caju.

Também os 18 cornos apreendidos na Malásia, pesando 51,4 quilos, chegaram a Kuala Lumpur através de um voo da Qatar Airways que transportou peças de arte despachadas a partir do terminal de carga do aeroporto da capital moçambicana.

Estes 53,9 quilos de cornos de rinocerontes têm valor comercial na Ásia estimado em mais de 5 milhões de dólares norte-americanos, onde existe a crença de que o mesmo tem propriedades medicinais e milagrosas.

Entre 2010 e 2016 foram traficados por Moçambique 797,78 quilos de cornos de rinocerontes

As autoridades de conservação estão a apurar, através de exames de DNA, a animais de que região pertenciam os cornos foram apreendidos contudo um fonte afiançou ao @Verdade que tudo indica que sejam resultado da caça ilegal no Parque Nacional Kruger que tem aumentado nos últimos dias com incursões de Moçambique para a Africa do Sul e de lá a saírem para o nosso território.

A fonte revelou que até a semana passada tinham sido abatidos 137 rinocerontes dentro do Parque Nacional Kruger e somente quatro, durante o mês de Janeiro, na zona moçambicana do Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo. Portanto grande parte dos cornos traficados este ano para a China e Malásia, a partir do aeroporto de Mavalane, terão sido cortados a animais na África do Sul.

Todavia a nossa fonte acrescentou ser irrelevante a origem dos cornos, o que é preocupante é que foram exportados através do aeroporto internacional de Mavalane um local onde a Administração Nacional das Áreas de Conservação(ANAC) não tem poder de intervenção, aí as autoridades são a Autoridade Tributária, através das Alfândegas, e a PRM.

Um relatório da Agência de Investigação Ambiental(acrónimo em inglês EIA) indica entre 2010 e 2016 foram traficados por Moçambique 797,78 quilos de cornos de rinocerontes, com valor de mercado a rondar os 80 milhões de dólares norte-americanos.

Grandes barões dos cornos de rinocerontes e do marfim apoiam as campanhas eleitorais do partido no poder

Entretanto um operador de uma das fazendas do bravio existentes na área do Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo(constituído pelo Parque Nacional do Limpopo em Moçambique, Parque Nacional do Kruger na África do Sul e o Parque Nacional do Gonarezhou no Zimbabwe) afirmou ao @Verdade que “estamos a perder o foco da caça furtiva, a caça furtiva não é pelo rinoceronte”.

“É por aquele animal ou qualquer outra actividade que rende muito dinheiro e rapidamente. Os que andam na caça furtiva geralmente também andam noutro tipo de actividade ilícita tráfico de carros, droga, é o crime organizado. O crime organizado não é porque odeia o rinoceronte se foco hoje está virado para este animal é porque é aquele que rende o valor mais alto. Isso significa que se o rinoceronte desaparecesse hoje eles iam caçar outra coisa, nós no Sul temos incidência no rinoceronte mas no Norte estão virados para os elefantes”, disse o nosso entrevistado que por razões de segurança não revelamos a sua identidade.

A fonte acredita que começa a existir mais vontade dos políticos na luta contra a caça furtiva afinal longe vão os tempos em que a penalização resumia-se ao pagamento de uma multa, “depois evoluímos para uma penalização, agora penalizam-se todos mas não basta, é preciso que estes instrumentos legais tenham efeito”.

“Os grandes barões dos cornos de rinocerontes e do marfim em Chókwe, Magude e Massingir são conhecidos, sabe-se quais são as suas mansões e os seus carros, apesar disso ninguém os prende. É o crime organizado que oleia onde tem de ser oleado, por exemplo quando chega a altura das campanhas eleitorais apoiam o partido no poder(Frelimo). Exige uma maior coordenação e interacção das estruturas que estão de uma ou de outra forma envolvidas no combate a estas coisas. Caça furtiva é um mal que tem de ser combatido, sem tréguas, por todos, administração da Justiça tem dados sinais positivos, houve tempo em que eram indiferentes”, revelou o nosso entrevistado.

Por Adérito Caldeira

Fonte: Verdade 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.