‘Alteraram a cena’, diz advogado de veterinário suspeito de maus-tratos em Macapá, AP

A defesa do veterinário Fernando Mendonça Nazaré, de 39 anos, pronunciou-se nesta sexta-feira (19) sobre a acusação de maus-tratos a animais na clínica do profissional. O estabelecimento localizado na Zona Sul de Macapá foi invadido na quinta-feira (18), após denúncias.

De acordo com o advogado Jair Carvalho, membros de uma ONG e tutores de animais internados cometeram um crime ao adentrarem o local sem medida judicial. Para ele, houve precipitação no ato das pessoas que estavam revoltadas e manipulação da cena.

“Quem conhece a clínica, inclusive as ONGs, sabe que aquele ambiente não existe. As rações e toda a bagunça foram implantadas, temos imagens que provam isso. Alteraram toda a cena para tentar justificar a invasão de propriedade privada e o impedimento do exercício legal da profissão”, disse.

Jair Carvalho, advogado de defesa do veterinário (Foto: Jorge Abreu / G1)

Em nota, o integrante da ONG Unidade de Proteção ao Animal Costelinha (UPAC), Victor Hugo Fernandes, nega que ele tenha incitado qualquer tipo de manifesto agressivo. Ele relata que compareceu ao local para acompanhar os clientes que solicitaram a presença dele.

“Fui chamado até o local pelo simples fato de proprietários de animais em tratamento não conseguirem contato com o médico após inúmeras tentativas […]. É importante dizer que toda a situação ocorreu porque já havia suspeitas, por parte dos denunciantes, de que os animais não estavam recebendo o tratamento adequado”, disse trecho nota.

Segundo Carvalho, o médico estava em procedimento cirúrgico no momento da invasão. Ele destaca que durante os dois anos de funcionamento da clínica não houve denúncias similares contra o médico.

“É visível que não há maus-tratos e inconcebível, até mesmo, pelo ambiente e o profissional, que vive desse trabalho e atende ONGs de proteção animal. As imagens veiculadas não correspondem a realidade do cotidiano da clínica”, reforçou a defesa.

No momento em que o médico foi levado à delegacia, apresentava comportamento atordoado, segundo policiais. A defesa alegou que ele sofreu um acidente e vive com uma placa de metal implantada na cabeça. Diante de fortes sustos ele chega a perder a consciência.

Foram os donos dos animais que chamaram a polícia depois de tentativas de contato com o veterinário, sem sucesso, e de idas na clínica para ver os animais de estimação e se deparar com o prédio fechado.

Vídeo: Médico veterinário é detido por suspeita de maus-tratos a animais

Um grupo acionou uma ONG de proteção animal e decidiu arrombar o portão para entrar no local. Os momentos seguintes foram de revolta. O dono de um cachorro chegou a agredir o médico que apareceu no meio da confusão.

Na clínica, dois cães foram encontrados mortos. Um em cima de uma maca, no setor cirúrgico, e outro no quintal. As imagens após a invasão foram veiculadas nas redes sociais e provocaram manifestação de internautas.

Segundo o advogado do veterinário, um dos cachorros mortos veio da rua através do trabalho de uma ONG. O animal estaria bastante debilitado e continha cinomose, doença altamente contagiosa provocada por um vírus.

Devido à doença, o cachorro passou por um procedimento de eutanásia, autorizado pela ONG, e o corpo dele foi enrolado e lavado para o quintal para evitar a contaminação de outros animais. Carvalho diz que cão foi mexido pelos invasores.

Já em relação ao outro cachorro, o advogado relata que o animal tinha acabado de morrer em decorrência de gangrena. Carvalho informou que o bicho chegou a ter uma das patas amputadas com objetivo de tentar salvar a vida dele.

“A primeira medida que deveria ter sido tomada era através de uma determinação judicial. Se tratava de uma clínica particular. O que aconteceu ali, ainda que fosse um caso de flagrante delito, teria que ter a presença de autoridade policial”, contou.

O médico veterinário Fenando Mendonça Nazaré foi conduzido ao Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) do bairro Pacoval, onde prestou depoimento e foi liberado. O caso dele é investigado pela Delegacia de Meio Ambiente (Dema).

Cachorro morto foi encontrado no quintal da clínica (Foto: Upac / Divulgação)

Por Jorge Abreu

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: Difícil crer na versão, mas as investigações haverão de esclarecer. Por outro lado, caracterizado o crime, não é preciso mandado judicial para invadir um local, como já publicamos em outras ocasiões.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.