Foto: Thales FerreiraScom/PMSL

Animais de rua serão identificados por microchip em São Leopoldo, RS

A tecnologia será aliada para o monitoramento dos animais de rua atendidos pela Secretaria de Proteção Animal de São Leopoldo. O projeto de identificação via microchip será lançado no dia 12 de abril, às 17h30, no gabinete do Prefeito. De acordo com o secretário de Proteção Animal, Anderson Ribeiro, com a nova ferramenta será possível identificar os animais que já passaram pela Sempa, fazer uma busca em seu prontuário médico, pesquisar o histórico de tratamento e dar segurança aos arquivos do animal. “Nossa meta, até o final de 2018, é poder identificar 100% dos animais atendidos e devolvidos ao local de origem”, destacou.

Atualmente é usada uma coleira na cor laranja, numerada, que serve para identificar todas as entradas e saídas de animais em tratamento. O equipamento traz segurança para o manejo e acompanha o cão desde sua captura até a devolução ao local de origem. “Porém, mesmo com arquivos de prontuários e exames é praticamente impossível o monitoramento seguro do animal em casos de reentrada no canil para tratamento”, explicou Ribeiro.

Os chips serão custeados pelo Grupo de Apoio a Entidades Protetoras dos Animais (GAEPA) com disponibilização de lotes mensais de equipamentos e materiais necessários. A Sempa fará o registro dos animais em banco de dados e etiqueta adesiva na ficha de controle. Para a aplicação dos microchips nos animais ser facilitada e ágil será utilizado material autoclavado e descartável. A implantação inicia a partir do lançamento do projeto.

A cidade de São Leopoldo conta hoje com uma população de cães em situação de abandono nas ruas estimada em 4.000 animais. O Canil Municipal abriga cerca de 300 animais. Por ano são atendidos pela Sempa, 660 animais de rua, sendo que 80% deles são devolvidos aos locais de origem.

Fonte: Revista News

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.