Após ataque de boto, ICMbio suspende atividades de flutuante em Anavilhanas, AM

Atividades no flutuante ficarão suspensas até que os proprietários do empreendimento resolvam irregularidades encontradas no local.

1531
Após ataque de boto, ICMbio suspende atividades de flutuante em Anavilhanas, AM
Outra orientação do ICMBio é que nenhum visitante poderia ficar perto dos animais quando um boto fêmea, que apresenta comportamento agressivo, estivesse no local (Foto: Divulgação)

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) suspendeu, na segunda-feira (27), por tempo indeterminado, as atividades do ‘Flutuante dos Botos’, inserido no território do Parque Nacional de Anavilhanas, em Novo Airão (distante 115 quilômetros a noroeste de Manaus). A medida foi tomada após um dos botos, atrativos do flutuante, morder um dos pés de uma assistente da revista High, com sede em São Paulo, no último dia 18 de março.

De acordo com a chefe do Parque Nacional de Anavilhanas, Priscila Santos, as atividades no flutuante foram suspensas até que os proprietários do empreendimento resolvam irregularidades encontradas pelo instituto no local. Segundo Priscila, o flutuante não cumpre algumas determinações voltadas a garantir a segurança dos visitantes e o bem-estar dos animais.

Priscila citou que o flutuante não dispunha de kit de primeiros socorros, mínimo de duas pessoas, para atender os visitantes e tinha manutenção incorreta de dejetos no banheiro. “A suspensão ocorre até que os problemas sejam resolvidos”, disse a chefe do Parque Nacional de Anavilhanas.

Outra orientação do ICMBio é que nenhum visitante poderia ficar perto dos animais quando um boto fêmea, conhecida como ‘Dani’, estivesse no local, devido ao animal apresentar comportamento agressivo. Priscila acrescentou que o ICMBio também orienta que visitantes não fiquem perto dos botos no momento de alimentação, que é quando os animais estão mais competitivos, buscando pelo alimento.

À REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC), a proprietária do ‘Flutuante dos Botos’, Marilda Medeiros, afirmou que o flutuante tem kit de primeiros socorros, mas a funcionária não encontrou no dia 18 de março. Sobre a presença da boto ‘Dani’, Marilda disse que os botos são animais silvestres e que todos da família da proprietária já foram mordidos.

“Os animais vem para o flutuante e ninguém sabe quando eles estão vindo”, afirmou Marilda, acrescentando que todas as exigência do ICMBio estão sendo providenciadas para que o ‘Flutuante dos Botos’ seja reaberto para visitantes. Marilda disse, também, que a funcionária que estava no local, no momento do incidente com a assistente da revista High, foi demitida.

Por Girlene Medeiros 

Fonte: D24 AM


Nota do Olhar Animal: Lamentável que os animais sejam obrigados a uma indesejada proximidade para satisfazer a danosa curiosidade humana e para que pessoas envolvidas com a atividade faturem financeiramente em cima disso. O turismo com foco em animais têm causado inúmeras vítimas de ambos os lados, como neste, no avistamento embarcado de baleias no litoral brasileiro etc.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.