Araras vermelha e azul são resgatadas no oeste da Bahia

Uma arara vermelha foi resgatada em Jaborandi, no oeste da Bahia, durante ação da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) nesta quarta-fera (11). A própria tutora do animal o entregou de maneira voluntária e, por isso, não foi multada nem sofrerá nenhuma penalidade. Em Coribe, uma arara-canindé também foi restada pela FPI. Manter animal silvestre em cativeiro sem autorização é crime ambiental, cuja pena pode variar em detenção de seis meses a um ano e multa.

Um criador de animais foi conduzido à delegacia na terça, depois de ser flagrado com um pássaro com anilha adulterada, em Santa Maria da Vitória. A anilha é um tipo de documento de identificação de animais silvestres legalizados e sua adulteração é crime ambiental. O criador pagou fiança de R$ 477 e responderá em liberdade por receptação de animal com anilha falsificada, com pena de 1 a 4 anos de prisão.

Mais de 200 animais silvestres, entre eles, pássaros e jabutis, já foram resgatados. As pessoas que tiverem animais silvestres criados de forma irregular em casa podem entregá-los voluntariamente em um posto montado no Parque de Exposições de Santa Maria da Vitória, sem sofrer nenhuma penalidade.

A FPI é coordenada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA), em parceria com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHRSF), e em conjunto com mais de 30 órgãos estaduais e federais, num total de 220 agentes. A 42ª etapa do programa de Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) na região de Santa Maria da Vitória teve início nesta segunda-feira (09/04) e continua nos próximos dias.

Balanço

Nesta quarta, em Serra Dourada, quatro postos de gasolina foram fiscalizados. Três foram autuados e notificados por não ter a documentação exibida pelos Bombeiros. na Região, também foram retirados do rio 1.500 metros de rede de pesca fora do padrão do Ibama, em Sítio do Mato. Na cidade, ainda foram destruídos fornos de carvão. Além disso, foram apreendidos, em uma cerâmica no município de Serra Dourada, 50,5 metros cúbicos de toras de angico, madeira nativa utilizada ilegalmente. Foi aplicada uma multa no valor de R$ 15.150,00 ao proprietário da cerâmica.

Ainda durante a fiscalização de estabelecimentos que comercializam agrotóxicos de forma ilegal, em Santa Maria da Vitória, a equipe da FPI apreendeu 15 quilos de um produto formicida. O proprietário do comércio foi autuado em R$15 mil reais de multa.

No município de Jaborandi, os técnicos encontraram lixo descartado de forma irregular, água que serve à população sem tratamento adequado e até agrotóxico utilizado na área da estação de tratamento de esgoto. Também houve apreensão de um caminhão adulterado e a prisão de uma pessoa.

As cidades que são alvo das ações desta etapa da FPI são: Santa Maria da Vitória, São Félix do Coribe, Canápolis, Santana, Serra Dourada, Tabocas do Brejo Velho, Brejolândia, Cocos, Coribe, Correntina e Jaborandi.

A força-tarefa, que já acontece há 15 anos, tem como objetivo fiscalizar, a fim de evitar ações de degradação ao meio-ambiente no Velho Chico e à população dos municípios banhados pelo rio considerado da integração nacional.

Participam da fiscalização os seguintes órgãos: Adab, Crea-BA, ANM, Funasa, Ibama, Inema, MPE-BA, MPF-BA, MPT – 5ª Região, Divisa, Polícia Militar (Coppa e Cipa), PRF, Seagri, Sefaz, Sema, Sesab, SSP-BA, SRTE, SFPA, PF, CRMV, Ipac, Sudec, DNPM, SPU, Sepromi, Incra, Funai, CBHSF, Agência Peixe Vivo, OAB, Marinha e Graer.

Fonte: Correio 24 Horas

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.