Artesãos produzem calçados veganos e geram renda para famílias em Quixeramobim, CE

Os calçados veganos tem o foco de sua produção na exclusão de matéria prima de origem animal. O reaproveitamento dos sapatos é um dos objetivos do grupo.

519
Elas são pioneiras na produção da renda Nhanduti e comercialização artesanal (Foto: Erico Gondim)
Elas são pioneiras na produção da renda Nhanduti e comercialização artesanal (Foto: Erico Gondim)

De Quixeramobim, no interior do Ceará, o Grupo Frivolitas formado por artesãos, uniu o conceito de sapato sustentável alinhado ao rendado Frivolité e Nhanduti. Com a técnica e sua multiplicação, a oportunidade tem gerado renda aos sapateiros locais e ao grupo rural de assentamento Caraíbas.

No Estado, as “Frivolitas” são pioneiras na produção da renda Nhanduti e comercialização artesanal. A produção de sapatos com as técnicas de aplicação tem chamado a atenção para a sustentabilidade e preservação, com a reutilização de material, vindos de sobras de calçados das fábricas da região.

Os calçados veganos tem o foco de sua produção na exclusão de matéria prima de origem animal. Com a prática totalmente manual, as artesãs afirmam que o sapato é exclusivo e feito para o pé de cada cliente. O reaproveitamento e customização dos sapatos é um dos objetivos do grupo.

As artesãs vêm contribuindo na construção de alternativas de desenvolvimento autossustentável e solidário junto ao Grupo Frivolitas, que irá lançar sua primeira coleção em Fortaleza, na loja colaborativa Elabore, onde estará à venda ao consumidor.

O grupo formado por 10 mulheres e um homem está produzindo os sapatos sustentáveis e sua pretensão é ampliar as vendas para outros estados e até fora do Brasil. Para dona Francisca, presidente do Grupo Frivolitas, a cultura do Frivolité precisa ser mantida acesa e levada a sério como outros pontos de renda.

“A consciência ecológica também se faz presente. Com essa técnica do rendado, apresentamos como item de adorno pessoal em sapatos, e futuramente aplicados em novos produtos”, disse.

A primeira coleção feminina de sandálias e sapatilhas possui forte identidade local e regional. Através de consultorias promovidas pelo Sebrae Ceará, sob a ótica do designer Érico Gondim foi desenvolvendo um negócio inovador, agregando valor às peças e mantendo o conceito sustentável.

Mão de obra

Segundo o grupo Frivolitas está difícil de encontrar mão de obra especializada como os sapateiros no município. Elas já pensam em ampliar a produção para profissionais nos municípios vizinhos, como Quixadá.

“Nosso objetivo é aumentar as vendas e propagar a coleção, já que somos mestres de ofício em permanecer viva a cultura regional nordestina”, afirma Francisca, presidente do Grupo Frivolitas.

Segundo a gerente do escritório regional do Sebrae em Quixadá, Gabriela de Aquino, o caráter inovador do Projeto Resgate de Ofícios Artesanais gerou novas oportunidades e mercados. “O projeto idealizado pela iniciativa Brasil Original do Sebrae Ceará, acompanhados pelo design Erico Gondim, tem como objetivo, desenvolver a Economia Criativa e introduzir artesãos e seus produtos no mercado”, disse.

Fonte: Tribuna do Ceará

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.