Seapi informa que desde agosto de 2017 já recomendava abate sanitário dos animais - FMMA/PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATAÍ/DIVULGAÇÃO/JC

Ativistas mostram indignação com abate de cervos do Pampas Safari

Depois de três anos de disputa judicial, 300 cervos que moravam no Pampas Safari, em Gravataí, foram abatidos durante o mês de dezembro. Em 2016, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) determinou o fechamento do estabelecimento por conta de suspeita de surto de tuberculose nos animais do local.

Diante da intenção dos proprietários de abater os cervos, ativistas da causa animal, encabeçados pela deputada estadual Regina Becker (Rede), se engajaram na luta na Justiça para barrar as execuções. Com duas liminares derrubadas, as mortes foram levadas a cabo.

Em nota, a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi) informa que desde agosto de 2017 já recomendava o abate sanitário dos animais envolvidos, uma vez que há recomendação técnica do procedimento em casos como esse, a fim de eliminar o foco e evitar o risco de contágio.

Em outubro daquele ano, liminares judiciais impediram as execuções, mas, em 2018, proprietários encaminharam comprovações à pasta de que o impedimento já não existia. “Sendo assim, a Seapi realizou a emissão do laudo sanitário e das Guias de Trânsito Animal (GTA)”, relata o texto. As GTAs são necessárias para levar os animais para o abate. A secretária esclarece, ainda, que as mortes foram realizadas sob autorização do Ibama, e que seguiram todos os procedimentos cabíveis.

Fonte: Jornal do Comércio

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.