Foto: Reprodução / CEM-UFPR

Baleia encontrada morta é enterrada em praia do Paraná

A carcaça de uma baleia-jubarte surpreendeu moradores e veranistas no balneário de Canoas, no litoral do estado, na manhã desta quinta-feira (11). O animal de quase 12 metros estava em avançado estado de decomposição na beira da praia e a prefeitura de Pontal do Paraná precisou de um trator para retirar o corpo da orla. O animal foi enterrado na areia da própria praia.

De acordo com a coordenadora do Laboratório de Ecologia e Conservação do Centro de Estudos do Mar da UFPR (CEM), Camila Domit, a baleia morreu em alto mar e foi encontrada por moradores da região. Pesquisadores foram até o local para identificar a espécie e levantar mais informações para pesquisas futuras.

A retirada da carcaça ficou a cargo da prefeitura de Pontal do Paraná, que utilizou uma escavadeira para remover o animal da beira do mar. A jubarte foi enterrada na própria praia, em uma área próxima à restinga. “Nas condições que ela estava, o ideal era mantê-la nessa zona de transição de ecossistemas”, explica Camila. “Como estava bem decomposta, nossa prioridade era que ela fosse enterrada o mais rápido possível antes que a maré subisse”.

Segundo ela, o receio era que os fluidos e demais restos da baleia atraíssem outros animais para a região, como tubarões e arraias maiores — o que poderia representar riscos para banhistas, além de problemas sanitários, já que cachorros também poderiam ser atraídos. Por isso, a remoção foi feita ainda na manhã desta quinta-feira. O trabalho chamou a atenção de quem estava na praia de Canoas.

A coordenadora do CEM destaca que os veranistas não precisam se preocupar com o fato de a jubarte ter sido enterrada na areia. Na verdade, de acordo com ela, isso faz parte do ciclo natural da vida marinha. “É comum que animais de grande porte que morrem em alto mar acabem na praia. E não há nada nela que já não esteja no ecossistema costeiro”, diz. “O veranista pode usar a praia tranquilamente”.

A recomendação da UFPR é que, caso moradores ou turistas encontrem baleias, golfinhos, tartarugas, focas ou qualquer outro tipo de animal marinho encalhado, vivo ou morto, entre em contato pelo 0800 642 3341.

Por Durval Ramos

Fonte: Gazeta do Povo

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.