Batalhão Ambiental resgatou mais de 400 animais silvestres em 2016, no Amapá

Batalhão Ambiental resgatou mais de 400 animais silvestres em 2016, no Amapá

A incidência de chuvas no Amapá tem aumentado os registros de aparecimento de animais silvestres em casas e quintais. Eles buscam por abrigos, principalmente, nas áreas urbanas.

O Batalhão Ambiental da Polícia Militar (PM) alerta a moradores de áreas de invasão próximas a matas e de áreas de ressaca para os cuidados com os bichos. Em 2016, mais de 400 animais foram retirados de imóveis residenciais no estado.

Segundo a corporação, ofídios e aves, como cobras e corujas, estão entre os bichos com maior incidência de aparição. Eles também buscam por alimento nas residências, conforme o batalhão.

No caso de qualquer registro de animais silvestres, o proprietário da residência deve acionar o Batalhão Ambiental para fazer a remoção do bicho e transferência para local adequado.

Animais resgatados voltam para a natureza ou vão para centros de tratamento. (Foto: Jorge Abreu/G1)

“Esse surgimento inesperado de ofídios e outros animais é resultado dessa época de chuvas. O problema aumenta na questão de áreas que não devem ser ocupadas, como a área de ressaca. Quando esse local é invadido, ele [animal] procura por um local atrás de abrigo e comida. Chegamos a encontrar uma sucuri embaixo de uma geladeira”, falou o sargento Diego Pinheiro.

Apesar da maioria dos animais que ocupam o espaço urbano não ser venenosa, o militar reforça que o manuseio inadequado pode deixar o animal irritado, podendo causar acidentes. “Você pode até saber se é ou não é venenoso, mas eles têm bactérias, vírus, e para se defender podem morder as vítimas. O Batalhão Ambiental vai ao local e faz a remoção para colocá-lo numa área de mata ou no centro de tratamento”, reforça o militar.

Em caso de aparecimento de algum animal silvestre dentro de casa, o cidadão pode acionar o Batalhão Ambiental pelo 190 ou pelo telefone celular (96) 98119-2146.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.