Foto: Artem Bali

Bélgica diz sim para o fim dos testes em animais!

O governo de Bruxelas vai pôr um fim aos experimentos em cães, gatos e primatas! A partir de 1º de janeiro de 2020, experimentos com esses animais serão proibidos, o que reduzirá significativamente o número de seres vivos utilizados para testes na região.

Após cinco anos, a começar em 1º de janeiro de 2025, experimentos em animais também serão proibidos na educação e em testes de segurança, exceto se os testes forem completamente necessários e se não houver outras alternativas disponíveis.

A nova medida avançou graças à campanha constante da ONG belga de defesa dos animais chamada GAIA, uma das organizações europeias que trabalham para acabar com testes em animais, e da Cruelty Free International (CFI). A lei é fantástica, e salvar as vidas desses animais utilizados em experiências foi visto pelos militantes como “um bom começo”.

“Esta é uma notícia brilhante vinda da Bélgica. Serve para mostrar que é possível para os governos abandonarem o uso de animais para testes”, disse Michelle Thew, Chefe Executiva da ONG CFI. “Eu chamaria a atenção do governo do Reino Unido para olhar o que aconteceu em Bruxelas e seguir o mesmo caminho.”

De acordo com dados coletados pela CFI, pelo menos 115 milhões de animais podem ser utilizados em experiências em todo o mundo a cada ano. O fato mais surpreendente é que uma grande parte dos testes em animais realizados no mundo todo não é necessária e nem mesmo tão confiável quanto imaginamos, muito pelo contrário. A utilização de animais em testes muitas vezes é totalmente ineficaz, já que seus corpos e respostas físicas são diferentes dos seres humanos. Verificou-se que 90 por cento das drogas que mostraram resultados promissores em testes com animais falharam em ensaios com humanos, e dos 93 efeitos colaterais perigosos das drogas, apenas 19 por cento poderiam ter sido previstos por testes em animais. Testes em animais estão também indissociavelmente ligados com grande sofrimento que, ao que parece, é com frequência completamente desnecessário.

A ciência hoje em dia conta com alternativas de última geração aos testes em animais à sua disposição, e dar ênfase para tornar essa troca possível, para o maior número possível de laboratórios e instalações. O desenvolvimento de métodos de testes alternativos está felizmente crescendo, e não apenas torna a ciência mais humana, mas também melhora a qualidade geral e a eficácia dos experimentos.

Esta é uma ótima notícia de Bruxelas e, por certo, esperamos ver muitas outras cidades e países seguirem o exemplo.

Por Aleksandra Pajda / Tradução de Mariana Medeiros

Fonte: One Green Planet


Nota do Olhar Animal: A falta de “necessidade” e a nenhuma “confiabilidade” dos resultados dos testes em animais apenas acentuam a desconsideração humana com o sofrimento imposto aos bichos, que continuam sendo prejudicados mesmo diante deste cenário. Mas a questão essencial não é algo relacionado ao impactos dos testes para os humanos e sim a INJUSTIÇA cometida contra os seres sencientes por serem explorados. A tortura e morte são moralmente indefensáveis. As proibições relacionadas aos testes avançam pelo mundo, mas é incompreensível que a medida na Bélgica exclua ratos e outros animais comumente usados em testes, o que acaba por caracterizar a medida como especista, beneficiando apenas os indivíduos de espécies pelas quais os humanos tem simpatia e pelos quais mais comumente cria laços afetivos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.