Cadela adota gatos recém-nascidos resgatados de enxurrada em TO

A “mãe” Lupita é da raça pinscher e os “filhos” dois gatinhos resgatados de uma enxurrada. O caso aconteceu em Axixá do Tocantins.

781
Foto: Divulgação/Waniceia Nunes da Silva.
Foto: Divulgação/Waniceia Nunes da Silva.

Desde a última segunda-feira, 30, uma cadela quase não sai de sua “caminha”, tal o desvelo com que cuida de seus pequenos filhotes. Tudo normal, não fosse a “mãe” Lupita, da raça pinscher, e os “filhos”, dois gatinhos resgatados de uma enxurrada. A lição de amor entre não iguais vem de Axixá do Tocantins, cidade localizada na região norte do estado. A tutora dos animais, a auxiliar administrativa Waniceia Nunes da Silva, de 40 anos, conta que os gatos foram jogados por cima do muro da escola em que trabalha e caíram numa poça d’água.

Chovia muito e a mulher os recolheu antes que fossem arrastados pela enxurrada. “Pensei em levar para casa, mas tinha um problema: minha cachorra Lupita nunca gostou de gatos“, contou. Mesmo assim, ela levou os filhotes imaginando que logo acharia outro lar para eles. Para sua surpresa, a cachorra logo se interessou pelos recém-nascidos. “Eu estava preparando a mamadeira dos gatinhos e, só para testar, coloquei um deles perto dela. De imediato, a Lupita o acolheu.”

Ela conta que a cachorra, que tem três anos de idade, produziu leite mesmo sem ter filhotes. “Foi a maior surpresa quando vimos ela amamentando os gatinhos. Depois disso, o leite dela até aumentou.” A mulher, que tem outros três cães da raça pinscher, temia a reação dos outros animais e de seus familiares. “Todo mundo ficou muito admirado, mas houve aceitação completa”, disse.

O veterinário Paulo Nogueira conta que o instinto materno na maioria dos animais é muito forte e a adoção de bichos de outra espécie acontece de forma mais comum com cadelas. “Mas ocorre também com outros animais. Já vi casos de ovelhas que adotaram porquinhos e até de uma galinha que adotou um gatinho. Na natureza, é clássico o caso dos chupins, que põem ovos nos ninhos de outras aves para que seus filhotes sejam criados pela outra família.”

Fonte: Gazeta do Povo

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.