Mel pouco antes da cirurgia/Divulgação

Cadela é atingida por flecha em Três Barras, SC

Uma cachorrinha mestiça poodle de nome Mel foi atingida por uma flechada no começo da semana no distrito tresbarrense do São Cristóvão. O crime foi cometido na rua Vereador João Pacheco de Miranda Lima.

Segundo a tutora de Mel, Adriana Luiz, a cachorrinha estava sozinha em casa quando foi vítima do crime. Ao chegar em casa às 16 horas de terça-feira, 11, Adriana viu que Mel estava na garagem, parada, como se a estivesse esperando. “Quando vi ela juro que achei que fosse brincadeira, que alguém tinha colado nela por brincadeira, sei lá, não havia rastro de sangue”, conta.

Adriana estava com o filho e a irmã, ambos com seis anos de idade, que começaram a gritar ao ver o animalzinho naquela situação. Adriana conta que ficou muito nervosa, colocou a cachorrinha, o filho e a irmã no carro e correu para a clínica veterinária mais próxima. Os médicos veterinários disseram que o caso era gravíssimo, que ao tirar a flecha do pescoço da cachorrinha, as consequências poderiam ser bem sérias.

Welinton Nunes, médico veterinário da Elite Clínica Veterinária, conta que Mel chegou na clínica estável, mas demonstrando dor intensa.

Na sequência, os veterinários fizeram um raio X do pescoço da cachorrinha e constataram que a flecha ficou entre o vão da coluna cervical com a musculatura da divisão entre a traqueia e o esôfago. “Foi muita sorte na verdade”, explica Nunes. A flecha media 45 centímetros.

Raio X no pescoço de Mel/Divulgação
Raio X no pescoço de Mel/Divulgação

Os veterinários submeteram Mel a uma cirurgia para retirada da flecha. Terminada a cirurgia, os veterinários constataram que nenhuma sequela havia ficado. Mel já recebeu alta e está aos cuidados da família.

Adriana não tem ideia de quem fez isso com Mel. “O que mais me choca é que ela é uma cachorrinha muito dócil. Ela não fez nada para ninguém para terem cometido essa maldade contra ela”, lamenta. Ela conta que ficou sabendo que este não é o primeiro caso no São Cristóvão. Em outro caso, segundo lhe contaram, o cachorro flechado não sobreviveu.

VEJA COMO FICOU MEL ANTES DA CIRURGIA PARA RETIRADA DA FLECHA

VEJA COMO FICOU MEL DEPOIS DA CIRURGIA

MAUS-TRATOS

O comandante da Polícia Ambiental de Canoinhas, Major Christopher Fhroener, explica que crimes de maus-tratos contra os animais podem ser denunciados tanto na sede da Polícia Ambiental quanto pelo 190, na Central de Operações da Polícia Militar. Ambos estão habilitados a registrar o boletim de ocorrência. “Embora o nosso foco esteja nos crimes cometidos contra animais silvestres, também atendemos a casos de animais domésticos”, explica.

Adriana já registrou boletim de ocorrência no caso de Mel.

Nesta semana, a Câmara dos Deputados aprovou  o projeto de lei que aumenta pena em casos de maus-tratos contra animais. O texto estabelece que a pena será acrescida de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal ou quando forem constatados atos de zoofilia (ato sexual entre seres humanos com animais). A matéria segue para análise do Senado.

Fonte: J+

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.