Por conta de ameaças do dono, filhote também foi resgatado (Foto: Reprodução/ EPTV)

Cadela leva 12 facadas e é resgatada por ONG em Campinas, SP

Uma cadela levou 12 facadas e foi resgatada junto com seu filhote por uma Organização Não Governamental (ONG), em Campinas, na noite dessa sexta-feira (9). O suspeito pelo ataque é um familiar do tutores dos animais. Um Boletim de Ocorrência foi registrado. Apesar dos vários ferimentos causados, os golpes não atingiram órgão ou artérias vitais.

“Ela tinha um sangramento bem importante, a face lesionada, na verdade dilacerada”, explicou a veterinária Elizabeth Santos. O tutor dos bichos mora em uma área rural. “Eu vi uma denúncia no Facebook, em um dos grupos de proteção animal, de uma cachorra que tinha sido covardemente agredida por um usuário de drogas. Entrei em contato com a pessoa da denúncia, eu fui até o local e encontrei ela com a face dividida em dois”, relatou Fernanda Fabris, presidente da entidade de proteção animal.

Por conta de ameaças, filhote também foi resgatado (Foto: Reprodução/ EPTV)
Por conta de ameaças, filhote também foi resgatado (Foto: Reprodução/ EPTV)

As facadas provocaram lesões por todo o corpo da mãe, principalmente no focinho e na boca. Ao todo, foram três horas de cirurgia e mais de 60 pontos para reconstruir a face e fechar os cortes profundos no corpo. No final, a cadela ganhou o nome de Angel.

Os representantes da ONG foram até a polícia para registrar um Boletim de Ocorrência por maus tratos aos animais. O próximo passo do atendimento à cachorra na clínica é manter a saúde dela estável e evitar infecções. Depois disso, ela poderá ganhar um novo lar. “Ela vai para um lar temporário até que ela fique 100%, aí vai ser castrada, reabilitada e vai pra adoção. O Alfredo [filhote], se tudo der certo, nas próximas semanas já vai estar disponível para adoção”, revelou Fernanda.

Apesar dos vários ferimentos, nenhuma artéria ou órgão vital foram atingidos (Foto: Reprodução/ EPTV)

“Eles só querem dar amor pra gente, e mesmo assim eles são vítimas da impiedade, da maldade humana né”, diz a ativista.

Investigação

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) informou que a investigação do caso seguirá com o 6º Distrito Policial (DP), responsável pela área dos fatos. A pasta comunicou também que este tipo de denúncia pode ser feita em qualquer delegacia ou pela Internet, na Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (http://www.ssp.sp.gov.br/depa). De acordo com o Código Penal, os casos de maus tratos a animais podem render até seis anos de prisão.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.