Carroceiro é flagrado pela PMA praticando maus-tratos a cavalo em Aquidauana, MT

Carroceiro é flagrado pela PMA praticando maus-tratos a cavalo em Aquidauana, MT

Na manhã desta quarta-feira (06) outro carroceiro foi autuado e multado pela Polícia Militar Ambiental, no Bairro Nova Aquidauana, por praticar maus-tratos a um cavalo. Ele apresentava sinais visíveis de que era maltratado e foi flagrado momento em que a equipe policial, junto com a Vigilância Sanitária, autuava o proprietário de uma égua doente que agonizou até a morte no mesmo bairro.

De acordo com a Polícia Militar Ambiental, momento em que as equipes estavam realizando procedimento com o proprietário da égua que morreu em situação de abandono e maus-tratos, flagraram dois jovens tentando colocar uma ‘betoneira’, na carroça. O equipamento é utilizado em obras e chega a pesar mais de 100 kg.

Também foi constatado que somente uma das patas dianteiras do animal estava com ferradura. ” É como se você estivesse o tempo todo de sapato alto em um pé e o outro descalço”, comparou o comandante do  2° Pelotão de Polícia Militar Ambiental de Aquidauana, Tenente Anderson Ortiz, sobre a “tortura” em que o animal era submetido, em ter que andar quilômetros carregando peso, sem a devida proteção nos cascos.

Outro detalhe notado, foi que em uma das patas do cavalo tinha um calço de borracha, onde foi constatado que causou lesão no animal devido ao uso prolongado. o fazendo sentir dores constantes.

O comandante determinou aos jovens que o tutor do animal, que não teve a identidade revelada, comparecesse ao local, onde também foi multado e autuado pelo crime de maus-tratos. O cavalo foi apreendido e encaminhado ao local da Prefeitura destinado ao recolhimento destes animais. Os autos foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Aquidauana para demais procedimentos.

Fonte: Jornal de Notícias do Estado

LEIA MAIS

Homem é multado pela PMA após abandonar égua agonizando até a morte

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *