Cão foi resgatado em estado de abandono e morreu em São Joaquim da Barra (SP) — Foto: Reprodução/EPTV

Casal suspeito de maus-tratos culpa amigo por morte de cachorro em São Joaquim da Barra, SP

Um casal suspeito de maus-tratos após a morte de um cão, em São Joaquim da Barra (SP), culpou um amigo ao prestar depoimento na quinta-feira (10). O marido teria contratado o conhecido para cuidar do animal enquanto viajava, mas o homem não cumpriu o combinado.

“A mulher está grávida e foi para a casa da mãe, em outra cidade, porque estava passando mal. O casal deixou um amigo para cuidar do animal, mas ele só pegou o dinheiro e não tomou providência nenhuma”, relata o delegado Hugo Anselmo Ravagnani em entrevista ao G1.

O cão foi resgatado em estado de abandono no domingo (6), após a denúncia de um vizinho. Ele recebeu atendimento veterinário, mas não resistiu, devido aos danos neurológicos graves causados por falta de alimentação, acorrentamento e abandono.

Cão estava amarrado e sem comida em quintal de casa em São Joaquim da Barra (SP) — Foto: Reprodução/EPTV
Cão estava amarrado e sem comida em quintal de casa em São Joaquim da Barra (SP) — Foto: Reprodução/EPTV

O casal disse ao delegado que não deixou o animal amarrado, mas não soube explicar por que o cão estava naquelas condições sendo que o cuidador não teria ido à casa para cuidar.

O amigo do casal ainda não foi ouvido. De acordo com Ravagnani, ele prestará depoimento na próxima segunda-feira (14).

Até o momento, o delegado responsabiliza o amigo do casal e o dono do cachorro, por ter feito a contratação do homem, pelo crime de maus-tratos contra animal. A pena varia de três meses a um ano de detenção e pode ser aumentada por causa da morte do cão, mas não resultará em prisão, pois o regime é cumprido em aberto, segundo o delegado. “Eles devem pagar uma cesta básica”, diz.

O caso será encaminhado ao Juizado Especial Criminal (JECrim), um órgão do Poder Judiciário responsável pelo julgamento de infrações de menor potencial ofensivo.

O casal, cuja identidade é mantida em sigilo, retornou à São Joaquim da Barra para prestar depoimento, mas viajou em seguida, por medo de represálias.

Moradores da cidade protestaram em frente à casa, segundo o delegado. “A moça está grávida e tem gente cercando a casa, falando em colocar fogo e matá-los. Por isso, eles não vão retornar por enquanto”, informa Hugo Ravagnani.

Até o momento, nenhum dano na residência foi reportado à polícia.

Animal não resistiu após ficar amarrado e sem comida em quintal de casa, em São Joaquim da Barra (SP). — Foto: Reprodução/EPTV
Animal não resistiu após ficar amarrado e sem comida em quintal de casa, em São Joaquim da Barra (SP). — Foto: Reprodução/EPTV

Abandono e morte

O funileiro Cláudio Roberto Tomaeli foi quem resgatou o animal e avisou a Polícia Militar. Ele estava trabalhando quando a esposa ligou e avisou ter ouvido um cachorro agonizando na casa ao lado.

“Eu cheguei em casa, subi no muro correndo e vi o cachorro caído, com uma bicicleta em cima e as patinhas travadas nos raios dos pneus. Eu olhei, não tinha ninguém [em casa], então pulei o muro e tirei a bicicleta de cima, mas as patas de trás já estavam duras, cheias de mosquitos. A gente jogou água na cara dele, deu água para ele beber, e ele até deu uma levantadinha, mas deitou de novo”, Cláudio contou em entrevista à EPTV.

Em seguida, o funileiro ligou para a PM, que foi até o local para atender a ocorrência, e acionou um médico veterinário.

“A impressão foi de que ele estava em estado de abandono. Parecia que estava há dias sem alimentação e sem água. Ele estava bem debilitado, fraco, sem força para levantar”, contou o PM Tiago Lucchezi.

O cachorro foi atendido naquela noite pelo veterinário Heitor Gomes Bérgamo. Ele conta que recebeu o animal com quadro grave de choque agudo. O cão foi submetido três vezes a tratamento com soro, injeção de adrenalina e reanimação por massagem cardíaca, mas não resistiu.

“Ele teve uma pequena melhora. Esperamos durante a noite toda, com soro, para ver se ele tinha alguma evolução no quadro neurológico, mas infelizmente, pela manhã, a evolução foi quase nenhuma e, antes que pudéssemos fazer os exames necessários, ele faleceu”, contou o veterinário.

Para ele, o animal estava abandonado há vários dias e deve ter sofrido desidratação em decorrência do calor, além de desnutrição.

Por Pedro Martins, G1 Ribeirão Preto e Franca (sob a supervisão de Rodolfo Tiengo)

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.