Seiva e sangue: “matéria combustível” e “matéria iluminada”

Em Seiva e sangue: outras vidas, outras mortes, do ano 2001, minha intenção foi responder às pessoas que – baseadas na idéia de que as plantas também “sentem” – consideravam moralmente admissível alimentar-se com animais não-humanos porque, no final das contas, sempre se precisa matar. Estabeleci que essa equiparação é errônea, mas que, se não fosse, a coerência da preocupação ética dessas pessoas deveria levá-las a deixarem de matar animais não-humanos e plantas. Elas poderiam, então, aceitar uma alimentação à base de frutos e sementes. No entanto, as discussões e os comentários a respeito dessa equiparação ofuscaram meu propósito principal: demonstrar o absurdo da solução onívora proposta por aqueles que faziam a equiparação.

Seiva e Sangue: outras vidas, outras mortes

Equiparar a vida animal à vegetal é um dos recursos aos quais os onívoros-carnívoros apelam para tentar relativizar o sofrimento e o assassinato dos animais usados na nossa comida. É como se esses onívoros se resignassem ao mal (segundo eles, necessário) que acomete o ser humano condenado a viver no topo da cadeia alimentar “natural”.

Direitos animais: O enfoque abolicionista

Atualmente, o abolicionismo reclama a necessidade de uma clara definição de seu conceito para entender a importância que possui em relação à concessão de direitos aos animais. Tento aqui prevenir um possível uso maléfico, através de versões extensivas ou ambíguas, preservando o conceito para não desgastar o termo.

Bem-estarismo e Direitos animais

Em nosso sistema legal – e no da maioria dos países do mundo –, os animais são classificados como COISAS, com ou sem donos, e nesse último caso, suscetíveis de serem apropriados. Como seres sencientes com essa característica de serem propriedade de outros indivíduos, sua condição é comparável à de um escravo humano sob o sistema sócio-econômico da escravidão.

Técnicas de apropriação discursiva

As empresas que experimentam em animais, os núcleos comerciais que conservam não-humanos para serem observados por um público pagante, os setores que os criam para vendê-los cozidos, e até esse horror - hoje multiplicado pela imagem televisiva - que é o negócio taurino começaram, há algum tempo, a usar o disfarce da preocupação com os animais ou com as pessoas, colando-se ao escudo do bem-estar animal, do cuidado do animal e da beneficência. A técnica tenta pulverizar - como o Alzheimer destruidor da memória - o conhecimento que permite, ao cidadão médio, distinguir entre a amargura do ser prisioneiro e a iluminação do ser livre, perceber a injustiça do inocente assassinado, entender a ética de não fazermos aos outros o que não quisermos que eles façam contra nós. Técnica desesperada, por certo, voltada a deter uma zoofilia crescente, ainda que às vezes confusa, a qual inunda de um sentimento de generosidade aquele que a cultiva. E este sentimento, como se sabe, faz muito bem.

- Apoio -

Petições

Últimas notícias

Mais uma cachorrinha aparece morta em Campo Limpo Paulista, SP

Mais uma cachorrinha aparece morta em Campo Limpo Paulista, SP

A leitora Rosy Domingos relata que sua cachorrinha Lilica apareceu morta na rua Amor Perfeito, no Parque Internacional de Campo Limpo Paulista. Já são...
Cachorros são envenenados em Campo Limpo Paulista, SP

Cachorros são envenenados em Campo Limpo Paulista, SP

Leitora do “Jornal da Região” pede para a Polícia Civil de Campo Limpo Paulista investigar quem está jogando comida com veneno para cachorros. Neste...
Divulgado vídeo de brutais maus-tratos que recebem os cães resgatados no terremoto no México

Divulgado vídeo de brutais maus-tratos que recebem os cães resgatados no terremoto no México

O dia 19 de setembro de 2017 é uma data que os mexicanos sempre terão presente. Foi um dia em que muitos perderam tudo....

Redes sociais

91,884FãsCurtir
511SeguidoresSeguir
783SeguidoresSeguir
7,664SeguidoresSeguir

Visite o site