A natureza não escolhe

A adesão à palavra do Mestre pode ser às vezes uma traição de seu espírito, do sentido da sua obra, uma vez que o dito Mestre, procedendo em termos de inovação e defrontando-se com mentalidades inicialmente hostis, escolhe com freqüência suas palavras pelo menos tanto por suas qualidades pedagógicas, conciliatórias, de transição, quanto por sua clareza. Isto é muito particularmente verdadeiro a respeito de Darwin, em quem se encontra, no mais alto grau, uma mistura de audácia e de prudência – como o ilustra, por exemplo, sua constante reticência no sentido de declarar publicamente a sua irreligião, no entanto consciente e assegurada.

LEIA MAIS A natureza não escolhe

Mistura de gêneros

Em Animals’ Agenda (Agenda dos Animais), novembro de 1991:
 
Segundo Jared Diamond, professor de fisiologia na California Medical School (Escola Médica da Califórnia), em Los Angeles, “Os humanos não constituem uma família distinta, nem mesmo um gênero, mas pertencem ao mesmo gênero que o chimpanzé comum e o chimpanzé anão». Diamond detalha os dados genéticos que sustentam a sua tese em seu novo livro, The Rise and Fall of the Third Chimpanzee (A Ascensão e Queda do Terceiro Chimpanzé).
LEIA MAIS Mistura de gêneros
Foto ilustrativa

Porque eu não sou ecologista

Propusemos este texto em outono de 1988 para a revista ecológica Silence… que o recusou alegando-nos que este exprimiria apenas “uma determinada visão do mundo». Na França, éramos um pequeno grupo de militantes da causa que ainda não se chamava libertação animal, e nós pensávamos que o movimento ecologista — reputado pela sua “abertura de espírito» e do qual alguns de nós nos sentíamos próximos — fosse capaz de suportar tal debate. Face à censura e à violência das críticas, tivemos que desistir.

LEIA MAIS Porque eu não sou ecologista

Defesa animal / libertação animal

A defesa animal, enquanto movimento organizado, existe há cerca de um século e meio; ainda que, logicamente, sempre existiram pessoas que demonstraram atos de amizade e de compaixão sem distinção de espécie. A libertação animal, que questiona os pressupostos fundamentais do especismo, nasceu como movimento a partir de 1975, ano da publicação por Peter Singer de Animal Liberation1.