Censo projeta mais de 1.500 cães em situação de rua em Campo Bom, RS

149
Censo projeta mais de 1.500 cães em situação de rua em Campo Bom, RS

Campo Bom começa a ter uma real dimensão da população de cães e gatos na cidade. E um dos dados é alarmante: segundo as projeções da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema), a cidade pode contar com mais de 1.500 cães em situação de rua. Essa estimativa parte da análise da primeira etapa do censo canino e felino que a Sema realizou no ano passado é que identificou até agora 641 cães vivendo nas ruas da cidade. O trabalho, executado entre junho e dezembro de 2017, em parceria com auxílio dos Agentes Comunitários de Saúde (ACSs), atingiu 60% das residências do município, registrando a situação de 8.791 animais na cidade e tem como objetivo dar conhecimento do número aproximado das populações de cães e gatos no município, identificando-os e mapeando-os por bairro e casa.

Segundo João Flávio da Rosa, titular da Sema, de posse dos dados sobre a população canina e felina da cidade, será possível ter subsídios estatísticos para desenvolver uma política municipal e planejar melhor as ações para estes animais. “O levantamento que fizemos até agora não contempla regiões como Santa Maria, Quatro Colônias Norte e zonas industriais próximas a RS239, que são conhecidas como locais de descarte de animais, por isso os números devem ser muito maiores dos que levantamos até o momento. Por exemplo, no bairro Imigrante Norte foi apurado que somente cães de rua ultrapassam 100 animais, o que o torna um local prioritário para ações de fiscalização, controle populacional e de doenças, entre outros”, disse. O secretário ressalta ainda que o censo é um dos pré-requisitos para aprovação de projetos como o Castra Móvel, junto ao Conselho Regional de Medicina Veterinária.

Segundo o prefeito Luciano Orsi, a ideia é que, de posse destes números, a Prefeitura, através da Sema, possa elaborar o planejamento de ações visando a proteção da vida animal e a fiscalização para o controle populacional. “Focamos muito na educação sobre posse responsável, pois acreditamos que ela é fundamental para atenuar a situação dos animais de rua na cidade. Pouco adiantam as castrações se os donos continuarem largando os animais indiscriminadamente. Ao adotar, deve-se saber que os animais têm necessidades, provocam gastos, trazem comportamento imprevisível e vivem por muitos anos. Promovemos diversas campanhas focadas na conscientização, com o objetivo de tentar mudar essa realidade”, afirma o prefeito.

Conheça os dados preliminares

O levantamento desta etapa foi realizado nos bairros que tem a cobertura dos ACSs, que aproveitaram as visitas realizadas normalmente às casas e cadastraram os animais, assim como levantaram o número de animais de rua de cada localidade. O resultado dessa etapa do levantamento dos animais domiciliados foi um total de 6.719 caninos registrados, sendo 52% deles fêmeas e 48% machos, contando com apenas 11% de animais castrados. Já um total de 641 caninos foram registrados vivendo em situação de rua.

Já a população total de felinos levantada foi de 1.307 animais domiciliados, sendo 53% deles fêmeas e 47% machos, com 17% deles castrados. Foram registrados 236 animais vivendo em situação de rua. A expectativa é que o censo seja finalizado em de março. Para isso, a nova etapa do processo será realizada pela Sema em parceria com as ONGs da Causa Animal do município.

Fonte: Revista News

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.