Cervo ficou preso no carro após ser atropelado na Serra do RS (Foto: Reprodução/RBS TV)

Cervo resgatado após ser atropelado e ficar preso às ferragens de carro se recupera em zoológico de Gramado, RS

Um cervo, conhecido também como veado-catingueiro, recebe cuidados especiais no zoológico de Gramado, na Serra do Rio Grande do Sul, após ser atropelado e ficar preso às ferragens de um carro no último domingo (3). Ele foi carregado por 20 km pela ERS-453, a Rota do Sol, porque o motorista não o percebeu. Só viu que o cervo continuava no veículo quando parou em um posto de combustíveis.

VÍDEO: Atropelado na Rota do Sol, veado-catingueiro fica preso em para-choque de carro

O condutor e o carona conseguiram retirar o animal das ferragens com vida. O cervo saiu sem fraturas do acidente, como mostra o vídeo acima. O médico veterinário Renan Alves Stadler definiu o episódio como “um milagre”. No entanto, o animal inspira cuidados. “É um quadro bem delicado mesmo. O estresse que ele passou é muito grande”, completa.

Cervo ficou preso no carro após ser atropelado na Serra do RS (Foto: Reprodução/RBS TV)

Com o impacto da batida, o para-choque quebrou e o cervo parou quase dentro do motor. Ele teve de ser puxado para fora pelas patas. O veículo trafegava a cerca de 60 km/h, quando o animal surgiu na pista.

Após a operação de emergência para retirar o cervo do carro, o motorista ligou para a Secretaria do Meio Ambiente. O destino dado ao cervo foi o zoológico de Gramado. Foi atendido, medicado e se recupera bem.

O cervo pesa 20 kg e tem pouco mais de um metro. Nos próximos dias ele seguirá em observação. Os veterinários irão avaliar se ele vai ter condições de voltar ao habitat natural, ou se vai ser juntar aos outros animais do zoo.

Na manhã desta quarta (6), cervo ensaiava passos no zoológico (Foto: Reprodução/RBS TV)
Na manhã desta quarta (6), cervo ensaiava passos no zoológico (Foto: Reprodução/RBS TV)

Na ala de recuperação do hospital veterinário, são 16 animais em atendimento. A maioria foi levada para o local devido a maus-tratos ou acidentes.

No Rio Grande do Sul, o veado-catingueiro está sob ameaça. “Ele nao encontra-se ameaçado de extinção, mas é um animal que infelizmente está sumindo por causa da degradação do habitat, da caça predatória. Se não forem feitas campanhas de conscientização e preservação desse animal na natureza, ele pode ser extinto”, alerta o veterinário.

Renan ainda reforça sobre os cuidados que os motoristas devem ter em estradas. E, em caso de algum acidente, ele dá algumas orientações.

“Respeitando os limites de velocidade, a gente consegue desviar do animal. Se atropelar, sempre entrar em contato com a Secretaria do Meio Ambiente do município ou com o Ibama, ou com o setor de fauna do estado”, sugere.

Somente na Rota do Sol, em 60 km de extensão, entre Tainhas e Terra de Areia, 60 mil animais silvestres morrem atropelados por ano, segundo dados da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Por Paulo Ledur, RBS TV

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *