Chefe da Máfia dos Concursos tem galos usados em rinhas

Durante a operação desta segunda-feira (21/8), a Polícia Civil encontrou 200 animais na chácara de Hélio Ortiz.

885
Hélio Ortiz (Foto: Giovanna Bembom)
Hélio Ortiz (Foto: Giovanna Bembom)

No horóscopo chinês, 2017 é o ano do galo. O animal, no entanto, não trouxe tanta sorte para Hélio Ortiz. Ele foi preso em Brasília nesta segunda-feira (21/8) alvo da Operação Panoptes, que investiga fraudes em concursos públicos.

Bruno Ortiz, filho de Hélio (Foto: Giovanna Bembom)
Bruno Ortiz, filho de Hélio (Foto: Giovanna Bembom)

Ortiz coleciona adereços de galos em sua casa e vai além: promove rinhas entre os animais. Durante as investigações, os policiais da Divisão Especial de Repressão ao Crime Organizado (Deco) descobriram a paixão de Ortiz pelo bicho. Foi uma segunda linha de investigação, já que o principal fato apurado e alvo dos policiais eram as fraudes nos concursos.

Quem são os presos e como agiam na Máfia dos Concursos, segundo a PCDF
O apego maior com a ave foi descoberto na chácara de Ortiz, no Park Way. No local, foram encontrados 200 animais, que eram utilizados em rinhas promovidas pelo acusado. “Ele tem uma fixação. Encontramos na casa (na QE 15 do Guará) dele várias coisas relacionadas a galos”, explica Brunno Ornelas, delegado da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Deco).

No Senado, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que regulamenta a vaquejada, poderá ganhar um adendo e liberar também a rinha de galo. A disputa contraria a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que considerou ilegal a prática da vaquejada por eventuais maus-tratos aos animais.

Por Ian Ferraz

Fonte: Metrópoles

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.