Com dívida de R$ 10 mil, ONG que resgata animais encerra atividades em Rio Branco, AC

Coordenação diz que 30 animais que estão sob responsabilidade da ONG vão continuar sendo assistidos. ‘Patinha Carente’ existe desde 2013 e atendeu mais de 1,1 mil animais.

712
‘Patinha Carente’ existe desde 2013 e atendeu mais de 1,1 mil animais (Foto: Divulgação/ Patinha Carente)
‘Patinha Carente’ existe desde 2013 e atendeu mais de 1,1 mil animais (Foto: Divulgação/ Patinha Carente)

Mesmo com várias campanhas para tentar custear os resgates de animais e conseguir pessoas para adoção, a ONG Patinha Carente anunciou o fim das atividades nesta quinta-feira (3) nas redes sociais. A coordenação afirmou que a dívida com as clínicas veterinárias chega a mais de R$ 10 mil.

Atualmente existem 30 animais sob responsabilidade da organização, sendo que desses, ao menos 10 estão internados em clínicas e 20 em lares temporários.

Conforme uma das coordenadoras Nycole Aguirre, a situação chegou ao limite e não é possível continuar. Segundo ela, dos animais internados, pelo menos oito já tiveram alta médica e não encontraram um lar definitivo.

“Esses que estão sob nossa responsabilidade, nós vamos continuar pedindo ajuda para eles. Em relação a outros casos que podem chegar, é que não vamos mais poder resgatar”, disse a coordenadora.

Nycole informou que devido a dívida alta, as clínicas não estão recebendo mais animais levados pela ONG.

“Só em uma clínica, a dívida é de mais de R$ 8 mil. Estamos bem tristes, foi uma decisão difícil, realmente a gente chegou a dever um valor que nunca devemos, chegamos ao limite. Mas, se conseguirmos quitar essa dívida, vamos seguir com as ações”, declarou Nycole.

A ONG já havia suspendido as ações pelo menos duas vezes, uma em 2016 e outra em 2017 por falta de recursos e dívidas. Mas, acabou retornando com as atividades de resgate de animais de pequeno, médio e grande porte.

Criada em maio de 2013, a Associação Patinha Carente é responsável pelo resgate de em torno de mais 1,1 mil bichos. Só em 2018, foram 201 animais.

A organização é totalmente formada por trabalho voluntário retirando cães, gatos e até cavalos, vítimas de maus-tratos ou abandonados, das ruas da capital acreana.

Por Iryá Rodrigues

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.