Comerciante vai parar na delegacia após agredir pitbull em Cachoeiro de Itapemirim, ES

O cachorro fugiu do depósito onde ficava preso e ameaçava atacar crianças, que brincavam no quintal de uma residência. Um cão da raça poodle chegou a ser atacado pelo pitbull. O comerciante prestou esclarecimentos e foi liberado. O tutor do animal vai responder por crime em liberdade.

1897
Comerciante vai parar na delegacia após agredir pitbull em Cachoeiro de Itapemirim, ES

Um caso de agressão a um cachorro em Cachoeiro foi parar na delegacia no último domingo (6). O comerciante Neimar Senna, de 31 anos, foi encaminhado até a unidade da Polícia Civil para prestar esclarecimentos, depois de agredir um cão da raça pitbull na rua João Lesqueves, no bairro Nova Brasília, com uma barra de ferro. A polícia entendeu que ele agiu em legítima defesa.

Segundo informações da Polícia Militar, o caso ocorreu por volta das 10h30, e foram os vizinhos que acionaram a polícia. Os militares chegaram ao local no momento em que o animal era agredido. Neimar, que segurava a barra de ferro, foi pego em flagrante e orientado a largar a barra de ferro. Ele foi conduzido até a Delegacia Regional de Cachoeiro.

O cachorro foi socorrido por protetores de animais e encaminhado para uma clínica particular de Cachoeiro. O caso é acompanhado pela ONG Patas de Rua. A ONG afirma que vai agir com prudência e aguardar que o poder público apure devidamente os fatos para só então aplicar as medidas cabíveis.

“Repassaremos as informações que recebemos à CPI dos Maus Tratos, presidida pela deputada Janete de Sá, para que o ocorrido seja apurado com imparcialidade. Repudiamos qualquer tipo de maus tratos aos animais e lutamos diariamente a favor dos animais, porém também não aprovamos discursos de ódio na internet, pois sabemos que estes podem causar danos irreparáveis às pessoas. Prezamos para que a verdade seja esclarecida através dos meios corretos para tanto, e não por especulações”, comenta a vice-presidente, Elisangela Teixeira.

A deputada Janete de Sá (PMN), presidente da CPI dos Maus-Tratos Contra os Animais da Assembleia Legislativa, confirmou que a Comissão recebeu várias denúncias sobre a agressão ao cachorro em Cachoeiro de Itapemirim.

“Repudiamos qualquer tipo de agressão aos animais e informamos a todos, que estamos buscando maiores esclarecimentos junto ao delegado Robson Vieira Lima, que atendeu a ocorrência, referente a agressão desferida contra o animal, possivelmente da raça pit bull, no último domingo, no bairro Nova Brasília, em Cachoeiro de Itapemirim, para que possamos estar analisando o caso e tomando as devidas providências cabíveis à CPI dos Maus-Tratos Contra os Animais”, declarou a parlamentar.

Legítima defesa

O comerciante se defendeu das acusações e contou que agiu em legítima defesa. “Eu estava passando mal e por isso, ainda estava deitado. Minha esposa foi até o quarto e me disse que nosso filho tinha ido até a padaria e que ela estava preocupada, pois havia um pitbull solto na rua. Nesse momento, ouvi gritos e quando fui ver, vi que os vizinhos estavam atirando pedra no animal”, comenta.

O cachorro pertence a um vizinho do comerciante e fica preso em um depósito no bairro. No entanto, ele teria fugido horas antes. “Meu vizinho estava fazendo uma obra na casa dele e os filhos brincavam no quintal. São seis crianças. Quando ele viu o cachorro se aproximando, pediu para as crianças entrarem em casa. O pitbull entrou e atacou um cachorro poodle da família. Ele começou a gritar e preocupado, fui até lá para ajudá-lo”, continua.

“Quando cheguei, vi que a cabeça do poodle estava na boca do pitbull. Peguei uma barra de ferro e dei uma cacetada para ele sair de dentro de casa. Ele saiu, mas voltou instantes depois. Não podia passar a mão da cabeça de um cachorro que vive trancado, e logo imaginei que ele pudesse atacar as crianças. Então, dei mais umas cacetadas e o deixei do lado de fora da casa”, ressalta.

Repercussão

Nas redes sociais, o caso da agressão dividiu a opinião dos internautas. Várias fotos do animal ferido foram compartilhadas e uma delas mostra que o cachorro tem dentes serrados. Neimar contou ainda que não teve tempo de saber a idade do animal ou se ele tinha dentes.

“Foi tudo muito rápido. Vi um pai assustado querendo defender seus filhos e as crianças também assustadas. Não tem como saber o estado de saúde ou a idade do cachorro. A primeira reação foi a defesa. Apesar de ter a idade avançada, ele parecia estar muito bem. Estou muito triste com toda essa situação. Eu adoro cachorro, Tenho dois. Fiz para evitar que algo grave acontecesse. Agora, estão me denegrindo e expondo minha família na internet. Apenas fiz isso para defender um ser humano. Sou uma pessoa honesta, tenho dois estabelecimentos comerciais e pago meus impostos. Vou tomar as devidas providências contra essas pessoas”, completa Neimar.

De acordo com a Polícia Civil, o comerciante agiu em legítima defesa de terceiros, e o fato justifica a agressão ao cachorro. A princípio, ele não vai responder por nenhum tipo de crime, e foi liberado após prestar esclarecimentos. O dono do animal vai responder por crime de exposição de perigo por deixar o cachorro escapar de casa e ter ferido outro animal.

Ele também foi ouvido na Delegacia Regional de Cachoeiro, e assinou um termo circunstanciado. Ele foi liberado e vai responder em liberdade.

Fonte: Folha Vitória

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.