Cuidadora de gatos denuncia envenenamento de 22 animais em Vilhena, RO

Mulher acredita que alguém teria jogado algo no quintal da casa em que mora. Caso foi registrado na Delegacia de Polícia Civil de Vilhena (RO).

269
Há aproximadamente 10 anos, a cuidadora resgata animais abandonados em Vilhena (Foto: Sheila Pompermayer/Arquivo Pessoal)
Há aproximadamente 10 anos, a cuidadora resgata animais abandonados em Vilhena (Foto: Sheila Pompermayer/Arquivo Pessoal)

A auxiliar comercial Sheila Adriana Pompermayer, de 45 anos, procurou a polícia na segunda-feira (29) para denunciar a suspeita de envenenamento de 22 gatos em Vilhena (RO), na região do Cone Sul.

A mulher acredita que alguém teria jogado algo no quintal da residência onde mora com os animais resgatados, localizada no Bairro Cidade Nova. Um animal morreu e outros três foram internados em estado grave.

Ao G1, a cuidadora contou que há duas semanas os 22 gatos que possui começaram a passar mal. A princípio, acreditava-se que fosse gripe e os animais começaram a ser medicados.

“Eles estavam com o nariz escorrendo, lacrimejando e espirrando, então o veterinário me receitou um remédio para gripe. Como os outros também estavam com os mesmos sintomas, acreditamos que era isso”, disse.

Mesmo com a medicação, os sintomas da suposta gripe não passaram. No dia 25 de janeiro, uma fêmea piorou e foi internada. A gata apresentou vômito amarelado, o que seria uma característica de intoxicação, após três dias o animal acabou falecendo.

“O veterinário me perguntou se havia alguma planta ou inseto que eles poderiam ter ingerido, mas na minha casa eu tomo todo o cuidado possível, pois eles são meus filhos”, disse.

Tutora afirma que a casa possuí um muro alto e os animais não têm contato com o lado externo (Foto: Sheila Pompermayer/Arquivo Pessoal)
Tutora afirma que a casa possuí um muro alto e os animais não têm contato com o lado externo (Foto: Sheila Pompermayer/Arquivo Pessoal)

De acordo com Sheila, a mais de 10 anos ela resgata animais abandonados e os mantém em casa. A cuidadora disse ainda que os muros da residência são altos e acredita que os gatos não possuem contato com o lado externo.

“Eu não tenho como acusar alguém, mas como protetora não posso moralmente me calar, principalmente porque meus gatos não saem para rua e não incomodam ninguém”, enfatizou.

Ela afirmou também que essa é a primeira vez que isso acontece com os animais.

Diagnóstico

O médico veterinário José Luiz Timmermann, que atendeu os animais, emitiu diagnóstico da gata que faleceu. No documento ele aponta uma provável intoxicação.

O profissional disse ao G1 que para afirmar que o animal foi intoxicado é necessário um exame específico, demorado e que não é realizado na cidade.

Os 22 gatos começaram a passar mal há duas semanas (Foto: Sheila Pompermayer/Arquivo Pessoal)
Os 22 gatos começaram a passar mal há duas semanas (Foto: Sheila Pompermayer/Arquivo Pessoal)

“A gata estava com salivação excessiva, tremendo e tossindo. Começamos dar o medicamento para intoxicação junto com o de gripe para todos eles, mas a gata que faleceu estava mais fragilizada. Os outros três, que estão internados, já estão melhor”, relatou o veterinário.

De acordo com a tutora dos animais, os outros 18 gatos, que estão recebendo a medicação para intoxicação em casa, também já apresentam melhoras.

A ocorrência de maus-tratos de animais foi registrada na Delegacia de Polícia Civil, que deve investigar o caso.

Por Aline Mattos

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.