Foto: Colaboração/Alessandra Palu

Dezenas de cachorros são encontrados mortos em matagal no bairro Santa Felicidade, em Curitiba, PR

Depois das aves que foram achadas mortas com o coração arrancado em um viveiro no Bairro Alto, em Curitiba, uma moradora do bairro Santa Felicidade levou um susto ao encontrar dezenas de cachorros mortos num terreno. Segundo Alessandra Palu, responsável pela descoberta, foi o forte cheiro que a levou até o local onde os cães estavam.

Segundo ela, os animais foram encontrados em um matagal na Avenida Fredolin Wolf, próximo ao acesso à Rua Graziele Wolf. “Sempre faço caminhada por ali. Esses dias, reparei o cheiro forte, que exalava vindo do matagal. Ficamos curiosos e entramos para ver o que estava acontecendo, foi aí que levamos um baita susto”, conta. Segundo ela, eram muitos corpos, de animais de pequeno e grande porte. “Mas muitos mesmo”.

Ao conversar com algumas pessoas que moram na região, Alessandra descobriu que a desova de cães mortos naquele terreno tem sido constante. “Nos contaram que isso não vem de hoje, que esse terreno sempre foi usado para isso, mas que antes a pessoa deixava os sacos mais para o fundo do matagal e agora estão abandonando mais perto da rua mesmo”, contou.

A suspeita dos moradores é de que uma única pessoa esteja matando os bichos. “Um psicopata, louco, que não tem amor aos bichos que não fazem nada pra gente. Nós suspeitamos de uma caminhonete cinza, mas ninguém conseguiu anotar placas, então fica difícil”.

Investigação

O boletim de ocorrência foi registrado na Delegacia do Meio Ambiente (DMA). À Tribuna do Paraná, as equipes da DMA informaram que a denúncia está sendo investigada. A polícia não informou ainda quantos cachorros foram encontrados no terreno. Os policiais buscam por imagens de câmeras de segurança, em condomínios próximos, que possam ajudar nesse trabalho de apuração inicial. “Esperamos que a polícia encontre alguma solução”, comentou Alessandra.

Por Lucas Sarzi 

Fonte: Gazeta do Povo 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.