Dono de fazenda de Gararu (SE) nega responsabilidade sobre mutilações de animais, mas não apresenta provas

486
Vaquejada: Animais estavam sendo mutilados em fazenda de Gararu, SE
Vaquejada: Investigação aponta que animais estavam sendo mutilados em fazenda de Gararu, SE

Nesta quarta-feira (14), o dono de uma fazenda de Gararu (SE), alvo de uma operação das polícias Militar e Civil e do Ministério Público, no dia 09 de junho, e que investiga uma denúncia de maus-tratos contra animais negou ter responsabilidades sobre as mutilações.

Vereador e filho investigados por mutilar animais para vaquejada em Sergipe
Buraqueiro é investigado, mas declara-se inocente (Foto reproduzida do site da Câmara Municipal de Gararu)

De acordo com Marcelo Vieira dos Santos uma audiência sobre o assunto foi realizada nesta terça-feira (13), onde ele informou que ganhou seis animais em uma premiação de pega de bois, e os outros dez ele comprou. Durante a reunião ele afirmou que não é o responsável pela mutilação dos animais.

A defesa de Marcelo solicitou à Justiça que designe um veterinário para comprovar que a mutilação dos animais é anterior a compra dos mesmos. Os 16 animais estão apreendidos na fazenda até que o processo seja concluído.

Segundo a promotora Rosane Gonçalves do MPE em Gararu, Marcelo Vieira dos Santos não comprovou que os animais foram comprados ou doados já mutilados com a apresentação da guia de trânsito animal. Mas o processo continua o trâmite.

Entenda o caso

Uma denúncia anônima de mutilação de animais chegou ao Ministério Público Estadual. A partir daí o juiz da Comarca de Gararu, Carlos Rodrigo de Morais Lisboa expediu mandado de busca e apreensão para constatar se a denúncia de maus tratos a animais com rabos mutilados tinha mesmo procedência.

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: A mutilação das caudas dos animais é apenas mais uma das ações de maus-tratos contra eles. Mesmo sem ela, a vaquejada causa diversos danos ao animal, como por exemplo, lesões em sua coluna. A aprovação desta aberração é não só uma violação jurídica, como também um retrocesso no processo civilizatório.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.