Foto: Pixabay

Dono de peixaria comprou um polvo de 32 quilos… e o libertou!

Um polvo que pesa 30 quilos foi capturado recentemente em uma armadilha para caranguejo, por um pescador da Califórnia, EUA, as coisas pareciam sombrias para o animal.

Quando um polvo de quase 32 quilos foi capturado recentemente em uma armadilha para caranguejo por um pescador da Califórnia, as coisas pareciam sombrias para o animal. Por certo, esse incrível animal seria vendido a um restaurante local ou peixeiro, e acabaria no prato de alguém.

Ou não? Quando Giovanni DeGarimore, dono do Giovanni’s Fish Market em San Luis Obispo, Califórnia, comprou o polvo, e esta criatura marinha gigante teve uma segunda chance que a maioria das criaturas que habitam os oceanos nunca têm depois de serem capturadas. Ao invés de vendê-lo como uma iguaria cara, DeGarimore decidiu liberar o polvo de volta à natureza, aonde ele pertence!

DeGarimore contou ao jornal local San Luis Obispo Tribune que ele pagou “alguns poucos dólares” pelo polvo, que ele chamou de Fred antes de devolvê-lo ao oceano pacifico.

Então o que fez DeGarimore decidir deixar o animal ir embora, ao invés de transformá-lo num belo banquete? De acordo com DeGarimore, há pouco tempo ele teve uma experiência bem curiosa com um polvo enquanto mergulhava nas águas próximas a Fiji. ”Nós brincamos de esconde-esconde por uns 15 minutos embaixo d’água”, disse DeGarimore sobre o encontro que mudou sua vida e o fez parar de comer polvos e vendê-los em seu mercado. Além disso, ler estudos recentes que provam a inteligência notável dessas criaturas delicadas também incentivou DeGarimore em sua decisão em não mais apoiar a venda de qualquer produto proveniente de polvo. ”Isso irá atingir meu bolso, mas eu prefiro apoiar esta causa”, disse ele.

DeGarimore não foi o primeiro na família a apoiar os direitos desses incríveis animais marinhos. Em 2010, seu primo, Robin Walker, comprou um polvo vivo de um restaurante de sushi em San Luis Obispo, e o libertou de volta ao oceano. ”Ele foi minha inspiração”, explicou DeGarimore.

Quando o Giovanni’s Fish Market fez uma publicação no Facebook sobre o retorno de Fred para o oceano, a história recebeu muitas mensagens positivas da região e de vários lugares por todo o país.

Essa história comovente serve para mostrar como as ações de uma pessoa podem fazer uma enorme diferença. DeGarimore não apenas garantiu que Fred voltasse para casa, aonde ele pertence, mas também alertou sobre por que esses magníficos moluscos deveriam ser amigos, não comida. Nós esperamos que este homem compassivo aprenda a expandir sua visão de polvos para incluir todos os outros peixes e criaturas marinhas que ele vende em seu mercado.

Para ajudar a transmitir a mensagem, não deixe de compartilhar esta história com sua rede!

Por Estelle Rayburn / Tradução de Mariana Mourão Medeiros

Fonte: One Green Planet


Nota do Olhar Animal: Inteligência não pode ser critério para definir quem deve viver e quem deve morrer. Não importa o quão “pouco inteligente” é um ser, ele continua tendo interesses próprios, em especial o interesse em viver e em não sofrer, como humanos com alguma deficiência intelectual os têm.

Sobre o fato do salvador do polvo ser um dono de peixaria, que sabe um dia ele possa estender sua consideração a todos os animais, inclusive aos peixes, tão sencientes quanto o polvo que ele resgatou. Mais uma vez recomendamos a leitura do artigo “Os peixes: uma sensibilidade fora do alcance do pescador

Os peixes: uma sensibilidade fora do alcance do pescador

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.