‘Durmo com ventilador’, diz tutor de cadela que ganhou casinha com ar-condicionado

Essa foi a alternativa que ele encontrou para driblar o aumento na conta de luz e manter o parelho para o animal. Na época mais quente do ano no Tocantins, entrou em vigor a bandeira vermelha.

1983
Dono afirma que dorme com ventilador para manter ar-condicionado de cadela de estimação (Foto: Guaraí Notícias/Divulgação)
Dono afirma que dorme com ventilador para manter ar-condicionado de cadela de estimação (Foto: Guaraí Notícias/Divulgação)

“Durmo com o ventilador”, é o que afirma o morador de Guaraí, região central do Tocantins, Wyomar Ramos de Araújo. Ele é tutor da cadelinha Hana que ganhou uma casinha com ar-condicionado. O G1 contou essa história em 2015. Essa foi a alternativa que ele encontrou para driblar o aumento na conta de luz e manter o conforto do animal, que continua usando o aparelho.

Neste mês de outubro entrou em vigor a bandeira vermelha, tarifa mais cara, que representa um aumento de R$ 3,50 a cada 100 kWh consumidos na conta de luz. O problema é que o reajuste ocorreu durante uma das épocas mais quentes do ano no Tocantins, quando as temperaturas chegam a superar os 40°.

“Eu só ligo o ar condicionado na minha casa nos dias que fazem realmente muito calor. Mas na casa da Hana ligo todos os dias à tarde no horário mais quente”, afirma.

Segundo Wyomar, depois que ele instalou o ar-condicionado na casa da cadelinha, a conta de luz aumentou cerca de 50%. Mas ele afirma que apesar desse aumento, somado ao reajuste com a bandeira vermelha, não pretende deixar Hana sem o aparelho.

“Não podemos sacrificar o animal, ela muito querida, é como se fosse um membro da família.” Sobre a conta de luz, Wyomar é enfático: “A gente dá um jeito.”

Entenda

Em 2015, Wyomar surpreendeu a todos na cidade ao instalar um ar-condicionado na casinha da cadela de estimação. Ele conta que colocou o aparelho para dar mais conforto à Hana, uma pastor alemão de três anos. Segundo ele, a cadela é sensível ao calor intenso do Tocantins. Nos dias mais quentes do ano a sensação térmica pode chegar a até 50° em algumas regiões.

Tanto calor fazia com que Hana ficasse inquieta, agoniada e o ar-condicionado foi necessário para dar mais conforto a ela. Afinal, a cadela é quem guarda e vigia a casa do dono, que ainda não tem muros e por isso ela tem que ficar presa.

Após o caso ganhar repercussão nacional, o assédio foi tanto que várias pessoas pararam para tirar fotos na casinha. Em 2016, a casinha foi reformada e ganhou um telhado com telhas de concreto, forro de PVC, pintura e porta de vidro.

Em 2016, casinha ganhou reforma (Foto: Guaraí Notícias/Divulgação)
Em 2016, casinha ganhou reforma (Foto: Guaraí Notícias/Divulgação)

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.