Elefanta apática de zoológico passa os dias pressionando sua cabeça contra uma haste; vídeo

Um novo vídeo compartilhado pela organização One Protest apresenta mais imagens dolorosas que mostram por que os elefantes não pertencem ao cativeiro. Ely vive no zoológico de San Juan De Aragon, no México, e você pode ver com clareza que algo está terrivelmente errado. Ely não só parece entediada ao extremo, deprimida, mostra sinais de zoochosis, como também pode haver mais nessa história.

De acordo com o investigador animal da One Protest, “Ely algumas vezes fica letárgica por longos períodos de tempo, como se ela estivesse “desligada”. Dessa vez, entretanto, foi um pouco diferente. Primeiro, Ely começou a pressionar sua cabeça contra uma barra, e depois passou, como você pode ver pelo vídeo, um longo tempo pressionando sua cabeça enquanto ficava “desligada”. Ficamos apreensivos por Ely, pois isso pode significar que ela esteja com dor de cabeça ou alguma condição neurológica. De qualquer forma, Ely deve estar com muita dor, e é por isso que ela se recusa a se mexer às vezes, e também tenta aliviar sua dor na cabeça pressionando-a contra as barras. Ela não parece estar recebendo nenhum tratamento veterinário ou realizando exames gerais para garantir que essa situação não esteja ameaçando sua vida.”

O que será necessário para que os zoológicos parem de reduzir elefantes majestosos a essa existência desoladora? Isto vai levar amantes de animais como você a compartilhar esses vídeos, educar seus pares, assinar petições, juntar-se a protestos e fazer com que as pessoas parem de gastar seu dinheiro nessas “prisões de animais.” Ely precisa de nossa ajuda, use sua voz para falar por ela, e pressione esse zoológico para dar a Ely o tratamento de saúde que ela precisa em um santuário seguro para animais!

Para ler mais sobre a One Protest e como você pode se envolver, clique aqui.

Por Nadine Rich / Tradução de Leonardo Lobo da Luz

Fonte: One Green Planet 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *