Em São Joaquim (SC), canil municipal em condições precárias abriga 60 cães

Em São Joaquim (SC), canil municipal em condições precárias abriga 60 cães

Os cerca de 60 cachorros que vivem no canil municipal de São Joaquim estão espalhados pelo pátio da Secretaria de Obras, num local em que chama a atenção a sujeira e a estrutura improvisada, com paredes de madeira apodrecida. Há ratos mortos e ossadas de cães. A prefeitura prometeu repassar R$ 80 mil para melhorar o espaço.

VÍDEO: Canil opera em condições precárias na Serra de SC; cães morreram por contaminação

“Teve algumas mortes e foi por comida mofada. Então, a gente teria que ver desde como está acondicionada esta alimentação, como está a limpeza. Tudo isso está precário”, disse a veterinária voluntária Ana Maria Borges.

Junto aos cães há ratos mortos, alguns cachorros estão presos a coleiras curtas. Outros, sem cuidados. Eles só recebem ração comprada pela prefeitura.

A casa que abriga os animais há 17 anos tem paredes feitas com madeira apodrecida. “Uma falta de estrutura que não tem condições. Eu, muitas vezes, compro material de limpeza para mandar para o canil e outras pessoas também”, disse Maria Regina Fontanela, representante da Associação de Proteção dos Animais de São Joaquim.

A prefeitura disse que, por decreto, a responsabilidade de manter o canil é da Associação Catarinense de Proteção aos Animais de São Joaquim. O decreto cede em comodato o espaço para o confinamento de animais sem esclarecer de quem é a responsabilidade de manter o local.

A associação diz que vale o artigo da Constituição Federal que dá ao poder público a tarefa de proteger a fauna, proibindo que os animais fiquem sujeitos à crueldade.

A prefeitura informou que fará nesta semana um processo burocrático para repassar R$ 80 mil ao canil.

“O recurso que a gente tem hoje dentro deste projeto de fomento é mais para situação onde a gente possa fazer um trabalho de castração e melhorar um pouco a condição dos cachorros lá”, disse o secretário municipal de Meio Ambiente de São Joaquim Volney Júnior.

“É uma situação que alguém tem que fazer alguma coisa por que já passou do limite”, disse a integrante da associação de proteção aos animais.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.