Aplicação de tratamento antiparasitário tem objetivo de garantir bem-estar animal e impedir transmissão de doenças para a população. (Foto: Juliana Bencke / Folha do Mate)

Em um mês, mais 330 animais são medicados contra sarna, pulga e vermes em Venâncio Aires, RS

Ao longo do mês passado, 332 cães e gatos receberam medicação contra sarna, pulga, bicheira e verminoses, em Venâncio Aires. Iniciativa-piloto da Secretaria Municipal de Saúde, o Projeto Assistencial de Pets Vulneráveis garantiu a aplicação de tratamento antiparasitário para animais nos bairros Brands, Coronel Brito, Battisti e Macedo.

“São locais com histórico de casos de animais com esses problemas, que foram definidos a partir das informações de agentes de saúde e da ONG Amigo Bicho”, explica o médico veterinário Everton Luís Notti, responsável pelo projeto.

Embora a ação previsse a aplicação dos medicamentos em quatro etapas, parte dos moradores levou os animais apenas uma vez, para receber o antiparasitário. “Animais com problemas de sarna receberam quatro aplicações; os demais, duas; mas algumas pessoas levaram os cães e gatos apenas uma vez”, comenta.

De acordo com Notti, agora, os resultados da ação serão analisados pela Administração Municipal. “A partir disso, novas localidades poderão receber o projeto. Vila Mariante e o bairro Santa Tecla já demonstraram interesse.”

O médico veterinário ressalta que, além de garantir o bem-estar animal, a medicação contra os parasitas visa a saúde pública. “Um dos tipos de sarna pode ser transmitido para o ser humano. As pulgas, além de irritarem as pessoas, podem transmitir bicho de pé. Além disso, as verminoses também são transmissíveis”, explica Notti, que também é coordenador da Vigilância Sanitária do município. “A ideia é, no verão, voltar nos bairros que receberam o projeto em junho, pois é o período de maior incidência dos parasitas.”

Prevenção

Segundo o médico veterinário, os cuidados com cães e gatos, para evitar doenças como sarna, vermes e pulgas, devem ser adotados logo nos primeiros meses do animal. Filhotes devem receber vermífugos, por exemplo, aos 15 e 30 dias. “Com relação às vacinas, a primeira dose para cães deve ser aplicada aos 45 dias, contra raiva, leptospirose, pneumonia e leishmaniose, entre outras doenças”, informa o veterinário.

Para gatos, a indicação é de que a vacina, que protege contra infecções respiratórias, entre outras patologias, seja aplicada aos 60 dias. “Depois, deve-se seguir o calendário de vacinação, com acompanhamento do veterinário.”

>> 93% dos animais medicados pelo Projeto Assistencial de Pets Vulneráveis são cães. Eles foram levados por moradores dos bairros, para receber o tratamento antiparasitário.

Castração

Além de levar o tratamento antiparasitário para cães e gatos de bairros de Venâncio Aires, a iniciativa possibilitou que a equipe das secretarias de Saúde e Meio Ambiente conhecem a demanda de fêmeas que necessitam de castração. Os dados serão considerados para o projeto que está sendo formatado no município e que priorizará animais de famílias em vulnerabilidade social.

Dos 332 cães e gatos atendidos com medicamento antiparasitário, apenas 50 já são castrados. Entre as informações apuradas estão o peso das cadelas e gatas – 40% das fêmeas mapeadas têm entre cinco e dez quilos e 20% têm menos de cinco quilos.

De acordo com o veterinário Everton Luís Notti, o dado possibilita que se tenha uma ideia de quantas castrações serão realizadas, em média, por mês, já que o valor do procedimento depende do peso do animal. Em breve, deve ser aberto chamamento público do Município para contratação de clínicas veterinárias interessadas em realizar o serviço.

Por Juliana Bencke 

Fonte: Folha do Mate

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.