Entregue há um ano, Hospital Veterinário de Porto Alegre (RS) deve ser aberto em janeiro

170
Atual gestão sustenta que estrutura foi entregue sem as licenças devidas, em novembro do ano passado. (Foto: Divulgação)
Atual gestão sustenta que estrutura foi entregue sem as licenças devidas, em novembro do ano passado. (Foto: Divulgação)

Inaugurado em novembro do ano passado pela Prefeitura de Porto Alegre, o Hospital Veterinário Victoria permanece fechado. Localizado na divisa entre a Capital e Viamão, na Lomba do Pinheiro, a estrutura está ociosa por falta de licenciamentos pendentes. Enquanto isso, atendimentos aos animais feitos pelo poder público são realizados em um espaço ao lado do hospital. Agora, a previsão é de mudança da Unidade de Medicina Veterinária para o Victória em janeiro.

A coordenadora da Unidade de Medicina Veterinária da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Smams), Viviane Diogo, garante que o funcionamento regular do hospital é o grande desafio da Pasta, já que ele havia sido inaugurado sem licenciamentos, que dependem de parceria com a Prefeitura de Viamão. É o caso da licença-prévia de instalação, que está em andamento. O PPCI, que também não existia quando a estrutura foi entregue, já foi elaborado, conforme a coordenadora.

As obras de ligação à estação de tratamento de esgoto e o plantio compensatório de mudas de árvores foram concluídos. Já o Habite-se depende de liberação da licença de operação para ser obtido.

Atualmente, 40 cirurgias eletivas e 300 castrações por mês são realizadas na Unidade de Medicina Veterinária. Com a utilização do hospital veterinário, a intenção é dobrar a capacidade, conforme Viviane. Uma parceria com a iniciativa privada vai auxiliar nessa meta, mas ainda não foi firmada. “Pretendemos chegar a 600 castrações e incluir cirurgias ortopédicas, serviço não podemos prestar hoje”, ressalta.

O Hospital Victoria fica na Lomba do Pinheiro, no limite entre a Capital e Viamão. O atendimento destina-se a animais de rua, incluindo vítimas de maus tratos, atropelamentos e também para donos de cães e gatos sem condições de pagar pelo tratamento dos animais de estimação.

Os serviços da unidade de saúde projetados para o local incluem procedimentos de média e alta complexidades. A estrutura comporta atender 150 animais na sala de recuperação e mais 150 na triagem. O empreendimento foi construído pelo empresário Alexandre Grendene e leva o nome da filha dele.

Por Samantha Klein

Fonte: Rádio Guaíba

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.