Foto: Unparalleled Suffering Photography/Facebook

Essa foto captura por completo a natureza cruel dos rodeios

Para muitas pessoas, os rodeios ainda podem parecer eventos inofensivos. Rodeios são tradicionais e parecem ter existido desde sempre… então, como eles não poderiam ser um excelente exemplo de “diversão pura?!”

Bem, na realidade, assim como outros tipos de “entretenimento” que exploram animais, os rodeios podem ser um momento divertido para o público, mas para os animais forçados a se apresentar, na maioria das vezes, seu tratamento é classificado como maus-tratos a animais. Rodeios podem incluir montar em touros, laçar bezerros ou capturar novilhos (steer wrestling ou bulldogging), e o volume de estresse e o tratamento doloroso dos animais é simplesmente impossível de se aceitar.

Uma foto publicada recentemente pelo site Unparalleled Suffering Photography capta a insensatez e a crueldade dos rodeios. “Nos rodeios, os cavalos são usados por todos os tipos de motivos, desde cavalgadas a eventos circenses que sempre lhes causam sentimentos fortes de angústia, dor e medo”, compartilhou o fotógrafo.

Durante a laçada de bezerros, animais jovens que podem ter apenas algumas semanas de idade são forçados a correr em alta velocidade antes de, de repente, serem jogados dolorosamente no chão para que o “cowboy” possa amarrar seus pés juntos. A captura de novilhos consiste em um cowboy que persegue animal, pula sobre ele e, em seguida, torce seu pescoço com brutalidade até que ele se submeta. Todos os animais usados em rodeios estão sob imenso estresse e são claramente tratados como objetos cujo único papel é permitir que os participantes mostrem suas habilidades questionáveis e força inoportuna. Os rodeios, na sua própria natureza, baseiam-se no uso de força brutal contra os animais. Este sofrimento desnecessário é impossível de se justificar, e, com certeza, não com o propósito de entretenimento.

Por Aleksandra Pajda / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.