Exoneração de responsável pelo CCZ de Contagem (MG) revolta ativistas da causa animal em todo o estado

185
Co-fundadora do Grupo de Proteção Animal de Contagem (GPA), Mariana Licéia angariou inúmeros voluntários e recursos para transformar o CCZ do município. - Foto: Reprodução/Facebook
Co-fundadora do Grupo de Proteção Animal de Contagem (GPA), Mariana Licéia angariou inúmeros voluntários e recursos para transformar o CCZ do município. - Foto: Reprodução/Facebook

No início deste mês, a servidora pública Mariana Licéia Campos de Oliveira, responsável pelo Centro de Controle de Zoonose (CCZ) da Prefeitura de Contagem, foi surpreendida com a notícia de sua exoneração. Ativista da causa animal há mais de 15 anos, a protetora é conhecida pelos trabalhos realizados em prol do bem estar dos animais do município, atuando dentro do cumprimento do que a lei 21.970/2016 determina, implementando ações que promovam a proteção, prevenção e punição de maus-tratos e de abandono de cães e gatos, assim como o seu controle populacional por meio da castração.

Co-fundadora do Grupo de Proteção Animal de Contagem (GPA) que objetiva a criação de legislação e políticas públicas, angariou inúmeros voluntários e recursos para transformar o CCZ de Contagem, dando abrigo aos animais recolhidos, encaminhando para tratamento clínico e posterior adoção. Também idealizou e organizou o primeiro Seminário Municipal de Bem Estar Animal e Controle de Zoonoses. Na última campanha eleitoral, o GPA sensibilizou os candidatos sobre a necessidade de melhorias e investimentos no CCZ, incluindo a ampliação dos canis e a construção de gatis.

A ativista ganhou visibilidade e reconhecimento em diversas instâncias, realizando palestras, audiências e debates sobre o tema, tornando-se referência no gerenciamento da instituição, primando sempre pelo manejo ético, pela guarda responsável e pelos direitos animais. Não por acaso, a notícia de sua exoneração causou espanto e gerou revolta nos ativistas da causa animal de todo o estado. O Movimento Mineiro pelos Direitos Animais (MMDA), aliado a vários outros grupos de proteção, divulgou nota pública de repúdio ao ato que considera ser um total descaso aos avanços alcançados. “A atuação da Mariana em sua gestão é um exemplo para todos. Exigimos que sejam explicitados os motivos de sua exoneração que não sejam por interesses políticos. Até o momento ainda não fomos informados”, divulgou a entidade.

Servidora pública da prefeitura de Contagem desde 2012, Mariana informou que retornou ao seu cargo de origem. “Sou fiscal ambiental e onde quer que eu atue, continuarei lutando pela causa animal”, diz. Segundo ela, o que mais a preocupa diante desta decisão inesperada é o destino que os animais do CCZ terão. “Não tenho pretensão de assumir cargos novamente, mas enquanto ativista, defendo que alguém vocacionado assuma o meu lugar”. Para o veterinário Gilson Dias, da Associação Bichos Gerais, é triste ver que mesmo diante de tantos esforços a maldade contra os animais ainda prevaleça. “É difícil não se sentir impotente diante de uma decisão tão arbitrária. E o pior é que eles, os animais, vivem um tempo muito curto e, deste modo, medidas como esta comprometem toda a sua existência”.

Grupos de proteção que se manifestaram contra a exoneração

  • Movimento Mineiro pelos Direitos Animais – MMDA
  • Associação Bichos Gerais – Belo Horizonte
  • Associação Protetora dos Animais – Contagem
  • Abrigo Isabela Freitas – Contagem
  • Associação de Proteção aos Animais SOS Bichos – Pouso Alegre
  • Associação dos Protetores de Animais ARCA DE NOÉ – Três Corações
  • Focinho Gelado – Pains
  • Justo Olhar – Montes Claros
  • Pet Sem Fronteiras – Belo Horizonte
  • Sociedade Galdina Protetora dos Animais e da Natureza – Caeté
  • Sociedade Mineira Protetora dos Animais – Belo Horizonte
  • SOS Bichinhos – Pará de Minas
  • SOS Mãos e Patas – Taiobeiras
  • Associação dos Protetores de Animais ARCA DE NOÉ de Três Corações
  • Associação Sabarense Protetora dos Animais e da Natureza (Aspan)
  • ONG APROVA – Aliança Pro-Vida Animal BH

Por Daniela Costa

Fonte: Revista Encontro

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.