'Faria tudo de novo', diz educador físico que se arriscou para salvar cachorra em correnteza

‘Faria tudo de novo’, diz educador físico que se arriscou para salvar cachorra em correnteza

O morador de Lins (SP) Raphael Frederico Germano, que ajudou a salvar uma cachorra que estava se afogando dentro do rio Campestre durante uma chuva forte que atingiu a cidade, no sábado (13), afirmou ao G1 que mesmo com o risco de também se machucar faria tudo de novo para resgatar o animal.

A ação foi registrada com celular por um motorista que passava pelo trecho do rio, que fica na área urbana, e testemunhou toda a ação heroica para salvar o animal. (Veja no vídeo abaixo.)

“Na hora, a gente nem pensa no perigo. Faria tudo de novo, apesar do risco”, conta o educador físico.

Nas imagens é possível ver que uma criança está às margens do rio tentando ajudar, mas sem sucesso. Raphael luta contra a forte correnteza que tenta arrastá-lo para longe da margem.

Ele chega até a submergir na água, mas, depois de muito esforço, consegue pegar a cachorra e sair do rio.

Raphael conta que voltava para a casa, quando observou que havia uma criança tentando resgatar a cachorra.

“Quando vi o menino tentando salvar a cachorra que estava se afogando com uma vareta parei a moto, desci e pulei no rio”, afirma.

Homem se arrisca em rio no meio da correnteza para salvar cachorra que se afogava. — Foto: J.Serafim/Divulgação

Após o resgate, o educador descobriu que a cachorra não era da criança, que estava às margens do rio. Com isso, ele tentou encontrar a dona do animal nas proximidades, mas sem êxito. “Ela estava bem cuidada, tinha uma coleira. Sabia que tinha dona”.

Por isso, o educador conta que resolveu levar a cachorra para a casa e acionou a ONG Refúgio Pet. As ativistas foram ao endereço para buscar o animal, que ficou provisoriamente abrigado com eles.

De volta ao lar 

O educador físico Raphael Frederico Germano, de 31 anos, e a cachorra resgatada. — Foto: J. Serafim / Divulgação

Segundo a ativista e presidente da ONG, Sonia Lopes, a cachorra passou por exames em uma clínica veterinária, pois havia engolido bastante água. Contudo, foi constatado que o pulmão estava limpo e que a cachorra só teve pequenas escoriações.

Depois da consulta, a presidente da ONG a levou para a casa e postou uma foto na internet em busca do dono.

“Depois de passar pelo veterinário, eu trouxe ela para a casa e postei a foto dela em uma rede social atrás do dono. Foi assim que a dona descobriu o paradeiro da cachorrinha fujona”, conta.

A ativista afirma que a dona relatou que a cachorra teria fugido no início da manhã e todos estavam desesperados, pois ela estava com a família há mais de um ano, quando foi resgatada das ruas.

A cachorra, que atende pelo nome de “Menina”, foi entregue para a proprietária.

Orientação

Segundo o Corpo de Bombeiros de Lins, o trecho do rio onde a cachorra foi resgatada é raso, mas em dia de chuva o volume de água sobe cerca de 3 metros e atinge a ponte.

Com isso, o mais perigoso do local é a velocidade da água que deixa a correnteza forte. Portanto, a corporação reforça que pular no rio nestas situações é muito perigoso, já que um galho ou tronco de árvore poderia machucar.

A orientação dos bombeiros é que, seja para salvamento de pessoas ou animais, equipes podem ser acionadas através do 193.

Por Ana Borges 

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.