Fazenda é denunciada por prefeitura na BA por manter 800 jumentos sob maus-tratos; cova foi achada na propriedade

Fazenda é denunciada por prefeitura na BA por manter 800 jumentos sob maus-tratos; cova foi achada na propriedade

A prefeitura de Euclides da Cunha, cidade a 315 km de Salvador, denunciou à Polícia Civil uma fazenda que mantinha 800 jumentos sob maus-tratos na zona rural do município. O problema foi identificado após uma vistoria realizada na propriedade, depois de uma denúncia.

Prefeito compartilhou fotos do laudo no Facebook — Foto: Reprodução/Facebook
Prefeito compartilhou fotos do laudo no Facebook — Foto: Reprodução/Facebook

A fiscalização foi feita pela prefeitura. O laudo foi divulgado pelo prefeito Luciano Pinheiro (PDT) nas redes sociais. No documento, a administração da cidade detalha que os jumentos não tinham água e alimentação adequadas, e que, entre os animais adultos, também foram achados filhotes recém-nascidos. Segundo a prefeitura, os jumentos estavam fracos, abatidos e mal se aguentavam em pé.

De acordo com o laudo da vistoria, os animais deveriam ser mantidos na propriedade temporariamente até seguirem para um abatedouro, mas, estavam há mais de 60 dias no local.

Ainda segundo o documento, funcionários que estavam na fazenda no momento da vistoria teriam informado que, além dos 800 jumentos encontrados vivos, outros 200 também teriam sido levados para o local, mas morreram ao decorrer dos 60 dias. Na propriedade, foi encontrada uma cova improvisada, com dezenas de corpos de jumentos.

Conforme a publicação feita pelo prefeito, o laudo foi entregue para a polícia. O G1 tentou falar com o delegado que cuida do caso, para tentar pegar mais detalhe, mas não conseguiu contato até a publicação desta reportagem.

Prefeito divulgou fotos do laudo nas redes sociais — Foto: Reprodução/Facebook
Prefeito divulgou fotos do laudo nas redes sociais — Foto: Reprodução/Facebook

Fonte: G1

Nota do Olhar Animal: Segundo informações de outros sites, os jumentos mantidos na fazenda e passando fome e sede são destinados ao abate para produção de carne. Vivem um verdadeiro holocausto.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.