Fêmea de gambá-de-orelhas-brancas usa ralo para cuidar dos filhotes; vídeo

Os animais foram parar no quintal da casa de Neusa Vicentini. Moradora criou um sistema para proteger os filhotes da chuva.

246
Neusa acolheu o filhote após uma forte chuva (Foto: Neusa Vicentini/VC no TG)
Neusa acolheu o filhote após uma forte chuva (Foto: Neusa Vicentini/VC no TG)

Imagine abrigar uma família de gambás no quintal de casa? O que poderia ser motivo de susto e preocupação para muita gente foi motivo de alegria para a boleira Neusa Vicentini, de Indaiatuba. A moradora encontrou uma fêmea do gambá-de-orelha-branca dentro do ralo e pode acompanhar a rotina da família.

VÍDEO: Neusa leva frutas, mortadela e peito de peru para os gambás

“Notei que todas as vezes que ia varrer a calçada tinham muitas folhas secas bem na saída do cano que escoa a água que vem do quintal. Eu recolhia as folhas e colocava no lixo, mas no dia seguinte outro monte de folhas estavam no mesmo lugar. Comecei a suspeitar que algum animal passava por ali”, conta a boleira, que depois de um tempo identificou o gambá. “Fiquei muito feliz quando descobri que era um gambá. Diariamente ia observá-lo e levava comida. Ele sempre comia muito, até que um dia apresentou comportamentos estranhos, dormia o dia todo e se lambia sem parar”.

Para a surpresa de Neusa, o animal tinha dado à luz a três filhotes. “Eu sempre tirava fotos do gambá. Até que notei que havia vários rabinhos por baixo dele, que na verdade é ela. Daí percebi que eram filhotes e que ela dormia porque estava exausta”.

Depois da constatação, a família de gambás-de-orelha-branca se instalou definitivamente no quintal da moradora de Indaiatuba, que adotou os animais como parte da família. “Todo dia eu e meu marido damos uma olhada neles,e logo que meu filho chega do trabalho ele pergunta se as crianças apareceram”, relata Neusa.

“É um misto de alegria, felicidade e amor. Quem sabe a mamãe gambá não volte com sua nova prole?”

O zelo pelos animais vai muito além da alimentação diária que a boleira prepara, com frutas, mortadela e peito de peru. “Teve um dia que choveu muito e a água começou a entrar com força dentro do cano. A mãe saiu e deixou um filhote pra trás, aí eu não tive dúvida: arranquei a grade e peguei o bichinho para ele não morrer afogado. Depois que passou a chuva e já bem sequinho, eu coloquei ele de volta e logo a mamãe voltou”, lembra Neusa, que já resolveu o problema das chuvas. “Quando começa a chover eu coloco um guarda chuva em cima da toca e para não molhá-los, é emocionante”, conta.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.