Foto: Unparalleled Suffering Photography/Facebook

Foto perturbadora nos lembra por que devemos ensinar às crianças a compaixão por animais

Sempre se diz que as crianças são o futuro e que devemos ensiná-las bem para que possam crescer e se tornar líderes de um amanhã melhor. Há por certo um grande número de pessoas das gerações mais jovens que são faróis inspiradores de esperança, a lutar pelos animais e pelo meio ambiente, mas ainda temos um longo caminho a percorrer…

Os animais considerados da pecuária são maltratados, torturados e negligenciados em fazendas industriais, mas essa não é a única maneira de serem explorados pelas pessoas. Rodeios, feiras regionais e eventos semelhantes exploram com frequência animais de fazenda em nome do “entretenimento” ou “esporte”. De ”lutas com porcos“ a corridas de ovelhas, até animais laçados, as crianças aprendem que os animais são objetos e podem ser usados e violentados da forma como o indivíduo quiser.

Na imagem a seguir, compartilhada por Uncomalleled Suffering Photography no Facebook, vemos um menino ajoelhado em uma arena enquanto se apressa para amarrar um cabrito aterrorizado. O olhar no rosto do cabrito diz tudo.

Foto: Unparalleled Suffering Photography/Facebook

O garoto na foto não pode ser culpado por esse ato perturbador. Ele foi ensinado a fazer isso por adultos e é provável que seja encorajado a fazê-lo e elogiado por isso. No entanto, ensinar as crianças a serem cruéis com os animais é uma coisa muito perigosa. Tornar esse tipo de comportamento normal só levará a outros atos de dominação sobre animais inocentes, dentro ou fora da arena.  Considerando o fato de que alguém que inflige danos aos animais tem cinco vezes mais chances de causar danos aos seres humanos, a sociedade deve pôr um fim a esse tipo de “esporte” e “entretenimento”.

Por favor, faça a sua parte para ajudar a divulgar a consciência sobre este problema e compartilhe este artigo com sua rede!

Por Natasha Brooks / Tradução de Maria Letícia Guerra Machado Coelho

Fonte: One Green Planet 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.