Para resgatar a garça foi necessário descer de rapel (Foto: PMDF / Divulgação)

Garça é resgatada após um mês ‘morando’ na Catedral de Brasília, DF

A Catedral Metropolitana de Brasília deu adeus a uma fiel inusitada, que estava “morando” no local há mais de quatro semanas. A garça foi resgatada nesta sexta-feira (12/1) pela Polícia Ambiental. Durante o período em que se abrigou no local, a ave voava de um lado para o outro, entre os anjos suspensos que decoram a cúpula da igreja, e se tornou nova atração para os visitantes.

“Nas celebrações, ela fazia a participação dela, com voos que chamavam a atenção”, conta o pároco da Catedral, padre João Firmino. Segundo ele, desde dezembro, outras duas garças também entraram no local. “Duas saíram normalmente, mas esta última deu trabalho”, diz.

Policiais do Batalhão Ambiental da PMDF foram enviados mais de uma vez para tentar fazer o resgate. Segundo o tenente Antônio Louzeiro, como o local é muito alto e amplo e a ave não estava ferida, ao tentar capturá-la, ela voava para a direção oposta. “Foi necessário mobilizar uma equipe especial só para essa missão. Primeiramente tentaram bambus e redes para alcançá-la. Como ela estava em boas condições de saúde e alimentada, foi necessário subir via rapel e esperar a ave cansar. Só então conseguiram pegá-la”, detalhou.

A garça foi para o Centro de Triagem Norte, onde será examinada e passará por uma quarentena, período em que os veterinários vão avaliar se o animal tem condições de voltar para a natureza. Isso porque durante a temporada em que passou na Catedral a ave foi alimentada. “Quando se dá comida, o animal silvestre acaba sendo domesticado. Por isso ele permaneceu tanto tempo no local. A recomendação para casos como este é não alimentar e chamar a Polícia Ambiental”, alertou o tenente Louzeiro.

De acordo com a Arquidiocese de Brasília, furos na cerca que fica no espelho d’água da Catedral devem ter dado o acesso ao interior da igreja. Com a saída de todos os animais, os responsáveis vão providenciar novas telas.

Por Bruna Lima

Fonte: Correio Braziliense

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.