Guarda Civil espanhola investigou dois homens por crimes contra cães: um por abandono outro por enforcamento

Guarda Civil espanhola investigou dois homens por crimes contra cães: um por abandono outro por enforcamento

Um da localidade de Riberos de La Cueza, por um suposto delito de maltrato animal doméstico, e outro como suposto autor responsável de um delito leve de abandono de animal doméstico na cidade de Palência, na Espanha. Sobre os acontecimentos, o Juizado Penal de Palência, condenou ao homem que enforcou dois animais a uma pena de 4 meses de prisão e 16 meses de proibição especial para o exercício da profissão, ofício ou comércio que tenha qualquer relação com animais, assim como a posse de animais e o pagamento de custas.

A Guarda Civil investigou a um homem de 50 anos, da localidade de Riberos de la Cueza (Palência), como possível autor de um delito de maltrato animal.

Os fatos ocorreram quando o tutor de dois cães denunciou o desaparecimento deles de uma fazenda de sua propriedade, localizada em Ribeiros de la Cueza. Os animais fugiram da fazenda depois de escavar um muro de adobe e acessaram o curral adjacente, propriedade do vizinho do tutor dos animais.

A Guarda Civil de Palência investigou os fatos, chegando à conclusão de que o proprietário do curral enforcou os cães depois que eles mataram duas galinhas que ele tinha em seu curral.

Pelos feitos, o Juizado Penal de Palência condenou ao homem que enforcou os animais a uma pena de 4 meses de prisão e 16 meses de proibição especial para o exercício da profissão, ofício ou comércio que tenha qualquer relação com animais, assim como a tutela de animais. Igualmente foi condenado ao pagamento das custas.

Por outro lado, em março deste ano, a Guarda Civil de Palência investigou a outro homem de 25 anos da cidade de Palência, como autor de um suposto delito de abandono de um animal, ao não manter seu cão em sua propriedade, que foi encontrado em um caminho em estado de abandono e desnutrição.

Por esses feitos, o Juizado de Primeira Instância e Instrução de Palência, condenou ao tutor do cão a uma multa de 360 euros, a proibição especial de 1 ano para o exercício da profissão, ofício ou comércio que tenha qualquer relação com os animais e para a posse de animais, assim como o pagamento das custas causadas pelo processo judicial. Ele também deve pagar os gastos gerados na clínica veterinária para onde o animal foi levado.

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Carrión Digital

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.