Homem de 59 anos confessa ter estuprado cadela do vizinho; é o 5º caso de zoofilia em Macapá, AP

Suspeito foi intimado, prestou depoimento na manhã desta terça-feira (5) na delegacia e foi liberado. Ele confessou crime e diz que vai procurar ajuda psicológica.

2916
Delegacia do Meio Ambiente fica no Ciosp do Pacoval, em Macapá (Foto: Jorge Abreu/G1)
Delegacia do Meio Ambiente fica no Ciosp do Pacoval, em Macapá (Foto: Jorge Abreu/G1)

Um homem de 59 anos foi flagrado por vizinhos estuprando uma cadela no bairro São Lázaro, Zona Norte da capital. Ele foi intimado e prestou depoimento na manhã desta terça-feira (5), na Delegacia do Meio Ambiente (Dema). Esse é o quinto caso de zoofilia registrado em Macapá, diz delegado Sávio Pinto, no período de 1 ano e seis meses. Procurado pelo G1, o suspeito não quis gravar entrevista.

De acordo com o titular da Dema, o homem foi visto no ato com o animal por uma criança 10 anos. Em seguida, a menina avisou a avó sobre os maltratos e o caso foi registrado na polícia. O crime aconteceu no dia 22 de agosto, segundo o boletim de ocorrência.

“Uma criança de 10 anos ouviu barulhos e subiu no muro para ver o que era, foi quando presenciou a cena. Ela chamou a avó, que quando viu, fez um escândalo. Todo mundo da vizinhança ficou sabendo”, disse o delegado.

Delegado do Meio Ambiente, Sávio Pinto (Foto: Jorge Abreu/G1)
Delegado do Meio Ambiente, Sávio Pinto (Foto: Jorge Abreu/G1)

Em depoimento, o homem confessou o abuso sexual na cadela, que seria de um vizinho, e disse que vai procurar acompanhando psicológico e psiquiátrico.
“Esse senhor foi chamado e confessou o crime. Ele disse que teria ingerido bebida alcoólica no dia. Isso acabou com o casamento dele de 35 anos”, informou Sávio Pinto.

O suspeito poderá ter pena de três meses a um ano de prisão, além de multa, conforme o delegado. Dependendo da análise do caso, a pena pode ser revertida, suspensa ou nem chegar a julgamento. O homem foi liberado após o depoimento.

Por Jorge Abreu

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.