Imagens angustiantes de ovelhas mantidas em condições pútridas nos navios de transporte têm abalado a Austrália

901
Nesta foto sem data da Animals Australia, recebida pela Agence France-Presse (AFP-agência de notícias francesa) em 9 de março de 2018, aparece ovelhas transtornadas a bordo no navio Awassi Express da Austrália ao Oriente Médio, apreendido ao longo de cinco viagens no ano passado. (Fotos: Getty)
Nesta foto sem data da Animals Australia, recebida pela Agence France-Presse (AFP-agência de notícias francesa) em 9 de março de 2018, aparece ovelhas transtornadas a bordo no navio Awassi Express da Austrália ao Oriente Médio, apreendido ao longo de cinco viagens no ano passado. (Fotos: Getty)

Milhares de ovelhas se espremem num curral, cobertas por seus próprios excrementos, e colidem umas nas outras enquanto o oceano balanças sob elas.

Vídeo: Imagens angustiantes de ovelhas mantidas em condições pútridas nos navios de gado têm abalado a Austrália.

Em breve, o compartimento fétido estará repleto das carcaças de animais mortos. Outros se agarram à vida, mas desmoronam, a respiração ofegante por causa do ar em seu confinamento mal cheiroso.

Ao final de sua viagem de três semanas, 2.400 ovelhas terão morrido de estresse térmico, efetivamente cozidas vivas dentro de um casco mal ventilado, onde as temperaturas sobem acima de 50ºC quando o navio atravessa o Golfo Pérsico.

Estas cenas perturbadoras de um navio transportando gado da Austrália Ocidental para o Oriente Médio deflagrou indignação generalizada na Austrália sobre os direitos animais e levaram a pedidos para acabar com o comércio de ovelhas de 250 milhões de dólares australianos (R$ 680 milhões) por ano.

Imagens do barco, filmadas por um membro da tripulação e vazadas para o grupo ativista Animals Australia, foram exibidas na televisão há duas semanas. Desde então, a indústria, grupos de direitos dos animais e políticos têm lutado para evitar essa crueldade.

Violação das Normas

As imagens foram coletadas em cinco viagens separadas no ano passado, de acordo com a Animals Australia.

Lyn White, uma ex-policial que se tornou uma das mais destacadas defensoras do bem-estar animal no país, disse que o tratamento de ovelhas no navio violou as normas internacionais.

“A Organização Mundial das Normas de Saúde Animal afirma claramente que não se deve transportar as em condições extremas”, mencionou ela.

Um navio de exportação por causa da capacidade para transportar mais de 50.000 ovelhas para o Oriente Médio foi impedido de deixar a Austrália após as imagens secretas apareceram de animais aflitos morrendo e fazendo um grande esforço para respirar em condições imundas.

“Não há nada mais extremo do que a temperatura do mar de 38 graus, temperaturas do ar externo em 40 e 50 graus e o forte calor e a umidade acentuada nos cascos das embarcações de exportação de carga viva.”

Os ativistas de animais passaram outras cenas gravadas em matadouros e mercados na Jordânia, Kuwait, Emirados Árabes Unidos e Omã que mostram ovelhas sendo espancadas. As autoridades australianas estão realizando pelo menos seis investigações separadas.

Funcionários da Autoridade de Segurança Marítima Australiana invadiram o MV Awassi Express, o navio onde as imagens foram registradas. Foi por causa de transportar outras 65.000 ovelhas para o Catar e para o Kuwait em poucos dias. O navio foi retido no porto de Freemante, na Austrália Ocidental, e o proprietário, Emanuel Exports, recebeu uma ordem para melhorar os padrões.

Cultura da crueldade

O diretor de exportações da empresa, Nicholas Daws, disse que a morte da ovelha foi “devastadora para a nossa empresa e para os produtores cujos rebanhos exportamos”.

Ele prometeu elevar os padrões de embarques futuros, incluindo a redução de 17,5% do gado e a contratação de um observador nomeado pelo governo nas viagens por mar ao Oriente Médio.

Enquanto isso, outros navios aportaram e receberam permissão para conduzir as exportações de animais vivos. Um navio, o MV Maysora, recebeu uma licença de exportação para 77.000 ovelhas e 9.500 bovinos e foi autorizado a partir para a Turquia apenas dias depois que as cenas foram examinadas.

Nesta foto de folheto sem data da Animals Australia, recebida pela AFP em 9 de março de 2018, mostra uma ovelha aflita gravada a bordo do veículo de gado identificado do Panamá.

O Ministro da Agricultura da Austrália, David Littleproud, disse aos exportadores para “mudarem a cultura de sua indústria” e pediu uma investigação do negócio.

Esta investigação, que deve reportar seus resultados até 11 de março, analisará as condições nos navios e exigirá um número menor do rebanho, melhor ventilação e ar condicionado. Poderia também impedir o comércio durante os meses mais quentes do verão.

Mas à medida que a retrocesso aumenta, o mesmo acontece com os apelos para proibir o comércio.

Proibição de exportações de animais vivos

A ex-Ministra da Saúde e agora deputada, Sussan Ley, prometeu apresentar um projeto de lei ao parlamento para acabar completamente com as exportações de animais vivos.

“Eu tenho estado à frente na defesa deste comércio por 15 anos e tenho ouvido repetidas vezes que foi apenas um incidente isolado, apenas um descuido, nós não queremos isso, tudo será consertado”, ela disse, “e nada mudou”.

Um grupo de outros deputados membros do parlamento expressaram sentimentos semelhantes. O líder da oposição, Bill Shorten, solicitou no mês passado que todos os embarques sejam suspensos.

A atual indústria exportadora da Austrália tem crescido à medida que os agricultores tiram partido da procura pela carne halal em vários países do Oriente Médio e da Ásia. Cerca de dois milhões de ovelhas foram transportadas no ano passado.

Apesar de sua irritação sobre o comércio, Littleproud disse que “tomaria decisões com base na ciência e não no sentimento”.

O Vice-Primeiro-Ministro, Michael McCormack, advertiu também contra uma proibição, argumentando que o comércio seria simplesmente suprido por outros países, o que ele alega ter registros ainda piores acerca do bem-estar dos animais.

Grupos de fazendeiros admitem que é preciso fazer mudanças. Membros do Conselho de Exportadores de Gado Australiano votaram em abril para apoiar as solicitações de um inspetor independente com poderes para avaliar os padrões de bem-estar dos animais antes e durante as viagens.

Mas tais medidas vêm tarde demais para salvar a indústria para salvar a indústria em face da oposição generalizada na vasta comunidade.

Por Steven Scott / Tradução de Aline Alves de Amorim

Fonte: I News 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.