Jacaré é resgatado por barqueiros no Marco Zero, no Recife, PE

Três homens avistaram o animal nadando perto do Centro de Artesanato e retiraram o bicho do Rio Capibaribe.

241
Jacaré foi capturado (Foto: Priscilla Costa / Folha de Pernambuco)
Jacaré foi capturado (Foto: Priscilla Costa / Folha de Pernambuco)

Um jacaré da espécie papo-amarelo (Caiman latirostris), de cerca de 1,20 metros, foi capturado no Marco Zero, no Bairro do Recife, na manhã desta quinta-feira (10), pelos barqueiros que realizam o traslado da Praça do Marco Zero ao Parque das Esculturas. Os homens estavam na margem do rio Capibaribe, quando viram o animal nadando próximo ao Centro de Artesanato de Pernambuco.

O animal foi encaminhado ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) pelos fiscais da Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma). O espaço, administrado pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), fica no bairro da Guabiraba, Zona Norte da Capital. Lá, será analisado pelos biólogos antes de ser devolvido à natureza.

Marcelo Cícero da Silva, conhecido como índio, foi um dos barqueiros que resgataram o réptil (assista o vídeo). O que o motivou a tomar tal atitude, justifica, é que a área é de estuário (encontro do rio Capibaribe com o mar), local inapropriado para a sobrevivência da espécie, que é de água doce.

“Ele estava subindo pelas paredes, numa tentativa de sair da água. Creio que não estava aguentando a salinidade da água. Então, peguei uma corda e o tirei da água até o socorro chegar”, explica. Antes do resgate chegar, a população jogava água para manter o equilíbrio corporal do jacaré. Ele ficou amarrado num poste próximo à Caixa Cultural.

De acordo com o capitão da Cipoma, Rildo Augusto dos Santos, o aconselhável é deixar com que os órgãos competentes façam esse resgate, por se tratar de um animal selvagem e agressivo. “Mas, vale destacar a sensibilidade dos barqueiros em terem essa percepção de que este lugar não era para esse animal. Eles suportam até um certo nível de salinidade, mas a espécie é de água doce”, afirma.

Outros resgates

Esse já é o segundo animal da mesma espécie capturado só nesta quinta-feira. Também encaminhado ao Cetas, o réptil foi encontrado no bairro do Jiquiá, numa área de mangue próxima a uma pista. “As chuvas favorecem a aparição desses animais, mas a culpa maior é do crescimento desordenado às margens de rio. Isso afeta diretamente o habitat deles. Por isso, aparecem jacarés comumente no Recife, muitas vezes, em lugares inapropriados”, justifica o capitão.

Por Priscila Costa

Fonte: Folha PE

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.