Laos está vendendo ilegalmente seus últimos elefantes selvagens para a China! Assine a petição para acabar com isso.

815
Foto: Pixabay/pexels.com
Foto: Pixabay/pexels.com

Os elefantes do mundo estão perdendo uma batalha cruel que cai sobre eles devido à ganância dos homens. Desde os índices espantosos de caça ilegal pelas suas presas de marfim, pele, e partes de seu corpo, até serem violentamente agredidos e explorados em atrações turísticas como circos e  expedições de trilhas, os elefantes estão lutando para sobreviver.

O colaborador líder no mundo para o comércio de marfim e a exploração de elefantes é a China, e, apesar de eles terem proibido o comércio de marfim recentemente, essa indústria corrupta ainda existe no mercado negro, e houve uma mudança para a venda de partes dos corpos dos elefantes, particularmente seu couro.

Consciente da demanda por elefantes na China e dos lucros que isso pode gerar, Laos vem vendendo ilegalmente seus elefantes selvagens para a China. Uma petição no Care2 explica que a população de elefantes selvagens em Laos vem caindo em mais de 75 por cento desde 1980, deixando somente estimados 600 a 800 ainda na natureza. Desses poucos que restam, cerca de 100 deles foram capturados e vendidos para a China nos últimos anos. Com taxas como essa, a população de elefantes de Laos logo irá sumir em somente alguns anos.

O autor da petição explica que a lei internacional proíbe a venda de animais selvagens, fazendo com que cada uma dessas vendas seja ilegal, além de ser antiética e desumana.

Se você quer ver o fim desse comércio movido pela ganância, assine esta petição endereçada ao presidente laosiano, Bounnhang Vorachith, exigindo que o governo pare com a venda de animais selvagens e puna aqueles que participem desses crimes internacionais.

E compartilhe isto com sua rede de contatos para conseguirmos mais apoiadores para os elefantes do planeta!

ASSINE A PETIÇÃO

Por Natasha Brooks / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.