Lucas do Rio Verde terá o primeiro Centro de Triagem de Animais Silvestres de Mato Grosso

268
Lucas do Rio Verde terá o primeiro Centro de Triagem de Animais Silvestres de Mato Grosso

O primeiro Centro de Triagem de Animais Silvestre de Mato Grosso será em Lucas do Rio Verde. A criação foi acertada durante reunião no gabinete do prefeito Luiz Binotti com o vice-governador e secretário de Estado de Meio Ambiente, Carlos Fávaro, com o procurador do Ministério Público, Luiz Alberto Scaloppe, os promotores do município, Caio Márcio, Francisco Gomes, José Vicente, a presidente da ONG AMIBEM, Roseana Oliveira, e o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Márcio Albieri.

A prefeitura de Lucas do Rio Verde fará a doação inicialmente de uma área de 10.000 metros no bairro Parque das Américas, que nos próximos dias, deve ser enviada para a Câmara de Vereadores de Lucas do Rio Verde para aprovação.

“Vamos fazer o projeto de doação da área e que ainda precisa ser aprovado na Câmara. É uma satisfação receber o Ministério Público, SEMA, Amibem para efetivar essa parceria. É um projeto de defesa dos animais, mas pode ser maior, possibilitando a vinda de um curso de medicina veterinária, é mais um grande passo para a conscientização da nossa população sobre a importância de preservar o Meio Ambiente”, afirmou Binotti.

O secretário Márcio Albieri reafirmando a grandiosidade desse projeto, também, pela possibilidade da vinda de mais um curso da Unemat no município.

“Lucas do Rio Verde foi contemplada com a criação do CETAS, numa ação rápida do prefeito Binotti, onde nós doamos uma área que está oceosa e que será ocupado por esse centro. E nós não estamos só preocupados em cuidas dos bichinhos, nós já estamos de olho lá na frente, a administração vê esse passo como a possibilidade de um curso superior de medicina veterinária no nosso município”, reafirmou o secretário municipal de Meio Ambiente, Márcio Albieri.

O CETAS é um local de recepção e tratamento de animais silvestres resgatados ou apreendidos pelos órgãos fiscalizadores, vítimas de atropelamento, queimadas, transportes ilegais e também aqueles mantidos em cativeiros domésticos como animais de estimação de forma irregular.

A consciência da população luverdense, por meio da ONG Amibem, foi determinante para que Lucas do Rio Verde fosse escolhida para receber o primeiro CETAS do estado.

“A sociedade civil organizada daqui que se preocupa com os temas ambientais foi fundamental na decisão de começarmos por Lucas do Rio Verde. Nós temos certeza que do sucesso desta parceria com o Ministério Público, o poder público municipal, com total apoio do prefeito Binotti e secretários, o Governo do Estado e a Secretaria de meio Ambiente. Com pessoas comprometidas mostra a grandeza do projeto e sua importância”, ressaltou Fávaro.

A presidente da Amibem, Rose Oliveira, ressalta que esse é um enorme fruto do trabalho de todos esses anos. “Esse é o resultado de uma grande luta, de querer fazer o bem e dar uma contribuição para o mundo melhorar, preservando a nossa biodiversidade. Estamos muito felizes que a prefeitura e os outros poderes se uniram com a sociedade organizada para que a gente comece esse passo que será o primeiro CETAS de Mato Grosso, finaliza Rose.

Como vai funcionar?

Recepção e Triagem – é registrado a entrada de cada indivíduo. Identificado a espécie e o sexo (quando possível), buscando o máximo de informação quanto ao local em que foi capturado e alojar os animais em estrutura adequada para receber o devido tratamento.

Monitoramento – após serem examinados, os animais ficarão sob quarentena para receber a nutrição necessária e sob a observação para identificar o aparecimento de possíveis doenças. Durante esse período, a equipe do CETAS analisa o melhor destino para os animais.

Destino – acerca dos animais apreendidos, desde que não estejam na lista oficial das espécies ameaçadas de extinção, são preferencialmente zoológicos, criadouros autorizados e centros de pesquisa. Solturas são, sempre possíveis, vinculadas a programas específicos de manejo para diferentes espécies.

Fonte: Cenário MT

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.