Luxemburgo é o décimo país europeu a proibir a criação de animais para produção de peles

Luxemburgo é o décimo país europeu a proibir a criação de animais para produção de peles

Na semana de 15 de junho deste ano, Luxemburgo se tornou o décimo país da Europa a proibir a criação de animais para produção de peles. Uma nova lei progressista de bem-estar animal, proposta em 2016 pelo Ministro da Agricultura Fernand Etgen, foi aprovada e inclui a proibição da criação de animais para produção de peles.

A lei de bem-estar animal entrará em vigor em outubro de 2018. Como Luxemburgo não tem nenhuma indústria de criação de animais para produção de peles no momento, a lei irá impedir, principalmente, que novas fazendas de marta sejam criadas. Informações sobre a nova lei podem ser encontradas no site: https://deiereschutzgesetz.lu/.

A nova lei de bem-estar é baseada na suposição de que os animais são “seres vivos sencientes não humanos, com sistema nervoso cientificamente capaz de sentir dor e outras emoções”, inclusive “sofrimento e angústia”.

Em maio de 2016, o Ministro da Agricultura de Luxemburgo, Fernand Etgen, apresentou a nova lei desenvolvida “para garantir dignidade, proteção à vida, segurança e bem-estar dos animais”. Etgen disse:

“A legislação de bem-estar animal exige profundas reformas devido aos avanços científicos revelados sobre os animais e por causa das mudanças de como os animais são vistos pela sociedade humana.”

O Conselho do Governo de Luxemburgo afirma:

“Os animais não são mais considerados objetos, mas seres vivos não humanos inteligentes com sensibilidade e detentores de certos direitos.”

Luxemburgo é o décimo país da Europa que decidiu proibir a prática cruel da criação de animais para produção de peles. Leia mais sobre as proibições de peles.

Tradução de Juliana Cambiucci

Fonte: Fur Free Alliance

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.