Macaco maltratado é resgatado pela polícia em cidade de MS

Suspeita disse que "o macaco era seu filho”. Ela afirmou que criava o animal silvestre desde pequeno.

1436
Macaco maltratado é resgatado pela polícia em cidade de MS
Animal sofria maus-tratos, segundo testemunha (Fotos: Irmandade das Patinhas/Rosane Mazetto)

Um macaco-prego, que estava preso a uma coleira, em Ponta Porã, no sul de Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, foi resgatado pela Polícia Militar neste sábado (29). De acordo com testemunha e uma entidade de proteção ambiental, ele estava sendo maltratado.

A polícia foi acionada para verificar a solicitação de maus-tratos de animais e encontrou o primata com uma coleira amarrada em um carrinho de mão, com uma mulher de 58 anos.
Uma testemunha afirmou que ao passar pela rua Paraguai com a sua motocicleta avistou a mulher maltratando o bicho.

De acordo com o registro policial, a suspeita disse que “o macaco era seu filho”. Ela afirmou à polícia ainda que criava o animal silvestre desde pequeno.

O animal foi entregue para a testemunha, que é membro da Ong Irmandade das Patinhas, de proteção aos animais.

A testemunha acionou a Polícia Militar Ambiental (PMA) de Dourados, também em Mato Grosso do Sul, que foi buscar o animal.

Segundo a PMA, se o animal silvestre apresentar ferimentos e precisar de cuidados será levado ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), em Campo Grande.

A presidente da Irmandade das Patinhas, Rosane Mazetto, afirmou que o animal ficava amarrado por uma corda pela cintura e era jogado no meio da rua. “Ela [a suspeita] queria dinheiro. Ia vender o animal por 100 mil guaranis [cerca de R$ 56]”, disse.

O G1 não conseguiu entrar em contato com a Polícia Militar de Ponta Porã para saber se a suspeita foi detida.

Macaco-prego estava preso com uma corda na cintura (Foto: Irmandade das Patinhas)
Mulher que estava com o macaco disse à polícia que “era um filho”
Macaquinho deverá ser levado ao Cras em Campo Grande

Por Paulo Fernandes

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.